Notícia

Câmara Municipal de São Paulo

Médico William Saad Hossne recebe Medalha Anchieta

Publicado em 09 agosto 2012

Após uma vida inteira dedicada à medicina e à vida acadêmica, o professor William Saad Hossne foi homenageado nesta quinta-feira na Câmara com a Medalha Anchieta e o Diploma de Gratidão da Cidade de São Paulo.

A honraria foi concedida inicialmente pelo ex-vereador Domingos Dissei, que deixou a Câmara para assumir cargo no Tribunal de Contas do Município. A pedido de Dissei, o vereador Gilberto Natalini (PV) aceitou dirigir a sessão solene. "O professor William é um nobre da medicina, um acadêmico muito ligado ao ensino médico, ou seja, é um formador de profissionais. É o top de linha na medicina brasileira, que muito me inspirou. Então é com muito orgulho que entrego a ele essa medalha e o Diploma de Gratidão da Cidade de São Paulo", disse Natalini.

O homenageado destacou o significado que a solenidade desta quinta tem para ele e disse que os motivos pelos quais está sendo homenageado não é fruto de um trabalho individual, mas coletivo, e por isso ele recebe essa homenagem "coletivamente". "Eu creio que um dos fatores que levou a esse ato de gratidão da Câmara é o fato de nós termos participado e encampado uma luta em prol da ética na pesquisa, no sentido de termos feito diretrizes que protegem os seres humanos. Mas tudo isso foi trabalho de um grupo. Por isso, gostaria de dividir essa homenagem, que me toca profundamente, com todos aqueles que são meus amigos, meus colegas e meus alunos", disse.

Formado em Medicina pela Universidade de São Paulo, Hossne foi livre docente de Clínica Cirúrgica da USP, Livre docente em Técnica operatória e Cirurgia experimental da PUC/SP, Professor Adjunto da USP e PUC, Professor titular da Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP e atualmente é Professor Emérito da Faculdade de Medicina de Botucatu e Doutor Honoris Causa da Universidade de Brasília, da Universidade Federal da Bahia, da Universidade Federal de São Camilo e do Centro Universitário São Camilo.

No início da década de 1960, foi indicado pelo Reitor da USP para integrar grupo multidisciplinar para elaborar o plano da Universidade a ser incluído no plano da Ação do Governo. Em seguida transferiu-se para a Faculdade de Botucatu. Em 1964, integrou a lista tríplice e foi indicado pelo então Governador do Estado, para o cargo de Diretor Científico da Fundação de Amparo à Pesquisa (FAPESP), em 1975 foi novamente indicado Diretor Científico da FAPESP. Na FAPESP implantou, além do sistema de bolsas e auxílios, o Programa de iniciativas da FAPESP.

Em 1994 foi Presidente da Comissão de Ensino Médico, do Ministério da Educação. Em 1992 fundou e em 1995 implantou a Sociedade Brasileira de Bioética e 1994 foi indicado pelo Ministro da Saúde, para compor o Conselho Nacional de Saúde.

De 1996 a 2007 foi indicado pelo Conselho Nacional de Saúde, Presidente da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, dentre tantas outras atribuições.