Notícia

Planeta Universitário

Maurício Martins Rodrigues, professor da Unifesp, morre aos 53 anos

Publicado em 25 junho 2015

Maurício Martins Rodrigues, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), morreu nesta terça-feira (23/06), na capital paulista, aos 53 anos. Ele estava internado há cerca de um mês devido a complicações decorrentes de uma doença autoimune. O velório foi realizado na manhã de quarta-feira (24/06) no Hospital Israelita Albert Einstein e o corpo seguiu para o cemitério e crematório Horto da Paz, em Itapecerica da Serra (SP).

Nascido no Rio de Janeiro, Rodrigues graduou-se (1983) em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), instituição na qual também concluiu o mestrado (1985) e o doutorado (1989). Realizou o pós-doutorado na New York University School of Medicine (1989-1991), nos Estados Unidos, onde foi professor entre os anos de 1991 e 1994.

Em 2001, tornou-se livre-docente em Imunologia pela Unifesp. Atualmente, atuava como docente no Centro de Terapia Celular e Molecular (CTCMol-Unifesp) e dedicava-se ao estudo da resposta imune induzida por vacinas de DNA, antígenos e vírus recombinantes com ênfase no desenvolvimento de vacinas contra protozoários patogênicos.

Dedicou-se nos últimos 20 anos ao desenvolvimento de uma vacina terapêutica contra a doença de Chagas (leia reportagem em: PlanetaUniversitario - Vacina terapêutica contra Chagas é testada com sucesso em camundongos).

O esforço investigativo envolvia pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz, do Centro de Pesquisa René Rachou, da Universidade Federal Fluminense, da Universidade Federal de Minas Gerais, da Universidade Federal de Santa Catarina, da Unifesp e da University of Massachusetts Medical School, nos Estados Unidos, reunidos por meio do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Vacinas, do qual Rodrigues era vice-coordenador.

Desde 2014, Rodrigues também coordenava um Projeto Temático FAPESP cujo objetivo era desenvolver uma vacina profilática contra a forma de malária causada pelo Plasmodium vivax, que responde por aproximadamente 80% dos casos da doença no Brasil.

Orientou na Unifesp e na Universidade de São Paulo (USP) cerca de 35 estudantes de Mestrado, Doutorado e Pós-doutorado, os quais são hoje professores e pesquisadores em instituições como USP, Unifesp, Universidade Estadual de Campinas, Universidade Estadual do Rio de Janeiro,  Universidade Federal do Pará, Instituto Federal de Goiás, Fiocruz e North Shore University, nos Estados Unidos.

Rodrigues havia sido aprovado no concurso para professor titular do Departamento de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da USP e aguardava contratação. Ele seria um dos palestrantes do Workshop on Infectious Diseases and Vaccines, realizado no Instituto Butantan entre os dias 22 e 24 de junho em parceria com o Instituto Pasteur da França.

Hugo Pequeno Monteiro, professor da Unifesp e coordenador do CTCMol, destaca que Rodrigues foi um “grande lutador”. “Ele lutou pela vida e pela ciência. Realizou um trabalho importante, desenvolveu protótipos de vacinas e formou muita gente. Deu uma grande contribuição à pesquisa científica”, disse. 

Agência FAPESP