Notícia

Folha de S. Paulo - Vale (São José dos Campos)

Mato em pátio da ferrovia gera reclamação de vizinhos

Publicado em 19 março 2005

Por Luiz Setti

Os moradores da rua Carlos Malheiros Oeterer, no Jardim Santa Rosália, cujas casas fazem fundo com o pátio da Brasil Ferrovias (na antiga Fepasa), reclamam do mato alto e da má conservação da área onde estão sucatas da empresa. De acordo com os vizinhos, aranhas, cobras e insetos estão invadindo as casas e há até queixa de que o terreno é freqüentado por usuários de drogas.
Maria Aparecida Vieira Valareli, moradora vizinha à área, diz que ladrões usam o local inclusive para esconder produtos de furtos que ocorrem nas residências próximas. "Há uma casa abandonada que não tem muro nos fundos e serve de acesso fácil para o pátio da ferrovia", reclamou.
Sobre os bichos peçonhentos, a moradora disse ainda que uma vizinha idosa encontrou uma aranha enorme dentro de casa e passou mal por conta do susto que levou. Além disso, com as chuvas e os dias quentes dessa época, pernilongos e outros insetos proliferaram na área, migrando para residências próximas. "A Prefeitura faz tanta campanha para a gente não deixar água parada em casa e ali, há vários locais que podem acumular água de chuva e virar criadouros de mosquitos", disse.
Luís Manfredi, que já foi funcionário da antiga Fepasa e também mora nas proximidades, lamentou que o local esteja naquele estado. "Esse é um patrimônio histórico que está se desfazendo por conta do descaso dos responsáveis".

Limpeza será feita
A assessoria de comunicação da Brasil Ferrovias, afirmou ontem o local passará por limpeza em breve. Eles disseram que as chuvas e o calor aceleram o crescimento do mato e isso acontece com freqüência não apenas ao longo das estradas de ferro, como também nos pátios operacionais da empresa. Para resolver o assunto, conforme informaram, foi desenvolvida - em parceria com a Unesp e com a Fapesp - uma composição (espécie de trem) que possui um sistema de controle computadorizado para a aplicação e distribuição de herbicida, sem agredir o meio ambiente. A Seção de Prevenção e Controle de Zoonoses, da Prefeitura de Sorocaba, também informou que enviará agentes ao local para verificar a situação e tomar providências.