Notícia

Tribuna (Ribeirão Preto, SP)

MÁRCIO FRANÇA – A trajetória do novo governador de São Paulo

Publicado em 27 março 2018

Por Redação Tribuna

Muita gente não sabe, mas o Estado de São Paulo terá um novo governador daqui a poucos dias. Com a saída de Geraldo Alckmin (PSDB) para disputar a Presidên­cia da República, assumirá o cargo o atual vice, Márcio França (PSB), que é também secretário de De­senvolvimento Econômico, Ciên­cia, Tecnologia e Inovação. Ele é pré-candidato à sucessão estadual.

O novo governador de São Paulo, que, neste primeiro man­dato, ficará no cargo até 31 de dezembro de 2018, é advogado, professor e começou sua carreira política como líder estudantil na Faculdade de Direito. É filiado ao Partido Socialista Brasileiro há 30 anos. França é presidente do PSB no Estado de São Paulo e secre­tário nacional da legenda, a única em toda sua história.

Depois de trabalhar por anos como servidor do Poder Judiciá­rio e atuar na advocacia, Márcio França se elegeu vereador por dois mandatos seguidos na Cidade de São Vicente. Depois eleito prefeito, em 1997, quando fez uma gestão revolucionária. Ele abriu mais de 80 creches, levou asfalto e dre­nagem para bairros sem acesso, tirando do isolamento boa parte dos moradores de São Vicente.

Criou programas de inclusão digital e ficou conhecido no País inteiro pela criação de um Progra­ma de Alistamento Civil, que abri­gou jovens de 18 anos em situação de vulnerabilidade, dando-lhes remuneração, treinamento, disci­plina e dignidade.

A iniciativa tirou São Vicen­te da posição de terceira cidade mais violenta do Estado. Nem en­tre as 100 primeiras a Cidade apa­receu depois do programa, uma vez que França descobriu que os jovens nesta faixa etária eram os mais cooptados pelo mundo do crime. Ou seja, com uma chance de serem integrados à sociedade, os jovens conseguiam escapar do assédio das más companhias e optavam pelo caminho do es­tudo e do trabalho.

As ações sociais, aliadas a ou­sados projetos de incentivo ao turismo, geração de empregos, melhora do transporte público e da segurança, fizeram com que Márcio França conquistasse, em 2000, a maior reeleição do País para prefeito, com 93,1% dos vo­tos válidos, um recorde até hoje não quebrado. Ganhou a admi­ração do então governador Mário Covas. Ao sair da prefeitura elegeu o sucessor com 84% dos votos.

Márcio França foi então eleito e reeleito deputado federal, revelan­do-se importante liderança nacio­nal. Coordenou duas campanhas para Presidência da República, sendo que, na última, sofreu o impacto da perda do seu amigo, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, num trági­co acidente aéreo em Santos. Foi depois convidado pelo go­vernador Geraldo Alckmin a criar e assumir a Secretaria de Turismo do Estado de São Pau­lo, onde implantou programas turísticos de acesso à população.

Sua atuação fez o governador Geraldo Alckmin convidá-lo a ser o vice na sua chapa de reeleição. Ambos foram eleitos no primei­ro turno. O governador também designou França para assumir a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, a mais abrangente do Estado, responsável, por exemplo, pelas universidades USP, Uni­camp, Unesp, Famema, Famerp, Centro Paula Souza e o maior centro de fomento à pesquisa do País, a Fapesp, que, juntas, abrigam mais de 450 mil alunos, a maior rede pública gratuita de ensino universitário no mundo.

França ampliou a Universida­de Virtual do Estado de São Pau­lo (Univesp), que oferecia 2.300 vagas, e hoje abriga 40 mil jovens cursando ensino a distância em 240 cidades do Estado de São Pau­lo. São cursos de qualidade, com aulas gravadas com professores da USP, Unicamp e Unesp, e os alu­nos se formam com a chancela das melhores universidades do País.

Sua meta agora é oferecer mais de 400 mil vagas nos próxi­mos dois anos, fazendo com que toda moça ou rapaz que conclua o ensino médio no Estado tenha a opção de fazer faculdade de quali­dade, de graça e sem a necessidade de prestar vestibular.

França tem conquistado o apoio de centenas de prefeitos do Estado, que anseiam pelo início do seu mandato, em abril, para que possam realizar obras em suas ci­dades, gerando empregos e desen­volvimento. A lealdade de Már­cio França com seus parceiros, além do seu foco e dedicação – a ponto de ter perdido 35 quilos para cumprir melhor o novo mandato que se inicia -, continu­am inspirando seus apoiadores.

Márcio França é casado há 40 anos com a educadora Lúcia e pai da pedagoga Helena e do advogado e deputado estadual Caio França. É avô de Enzo e Laura. Nascido em São Vicente e criado à beira-mar, também gosta de pescar e surfar, além de cozinhar para os amigos.

Sucessão – O PSB do vice­-governador Márcio França trabalha para apresentar, nesta semana, três novos partidos na aliança que vai disputar a suces­são do governador Geraldo Al­ckmin em outubro. Nos próxi­mos dias, a sigla deve oficializar o apoio do PRP, PV e PMB, ao mesmo tempo em que tenta se­lar o compromisso com o PRB.

O anúncio do PV e do PMB deve acontecer na terça-feira (27), enquanto o PRP na quinta-feira (29). Segundo o deputado esta­dual Caio França (PSB), filho do vice-governador, existem ainda negociações abertas com o DEM e o PP. Ainda assim, o grupo de França já contaria com treze parti­dos: PSB, PR, PPS, PV, PHS, PSC, Pros, Avante, Solidariedade, Pode­mos, PPL, PRP e PMB.

Sobre as farpas trocadas nos últimos dias entre Márcio Fran­ça e aliados do prefeito João Do­ria (PSDB), Caio disse entender que este é mais um reflexo do fato de que, pela primeira vez em muito tempo, o PSDB vai para as eleições contra o governador do Estado. “Vejo mais como uma pressão para tentar mostrar a força do partido”, minimizou. “Mas assim que assumirmos o governo, o PSDB terá a prudên­cia de nos ajudar a fazer as mu­danças que forem preciso”.

Primeira-dama – A profes­sora Lúcia França, mulher do vice-governador de São Paulo, Márcio França (PSB), afirmou que continuará o trabalho de Lu Alckmin, mulher do governador Geraldo Alckmin (PSDB), à fren­te do Fundo Social de Solidarieda­de. “Eu tenho empenhado minha palavra, fiquem tranquilos que os trabalhos da dona Lu continuarão, estaremos juntas. Não teremos mudanças”, disse Lúcia. “Vou dei­xar meu lugar para a Lúcia França, esse ser humano espetacular; nos sentimos muito felizes com ela”, diz Lu Alckmin. “Vai ser de Lúcia para Lúcia a continuidade do tra­balho”, disse o governador.