Notícia

O Estado de S. Paulo

Mapas traçados no tempo e no espaço

Publicado em 09 outubro 2010

Por Wilson Alves-Bezerra
Em 1932, num texto agora célebre, O Escritor Argentino e a Tradição, Jorge Luis Borges (1899-1986) se perguntava acerca da tradição cultural argentina, para terminar constatando que "ser argentino é uma fatalidade", e que "devemos pensar que nosso patrimônio é o universo". Era a libertação do escritor das amarras da identidade nacional; opção drástica para quem insistira nos temas e na mitologia portenhas e chegou a ensaiar um Idioma dos Argentinos (1928). Tal inflexão é plena de consequências para sua obra, pois é quando dá [...]

Conteúdo na íntegra disponível para assinantes do veículo.