Notícia

Paraná online

Mapa funcional de genes da cana-de-açúcar vai ajudar a formar variedades mais produtivas

Publicado em 26 março 2007

Uma nova ferramenta genética para a formação de novas variedades de cana-de-açúcar, mais produtivas e menos suscetíveis à seca e a doenças, foi construída por uma equipe de pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). É o mapa funcional da cana que mostra marcadores moleculares relacionados às características agronômicas da planta, como, por exemplo, os genes ligados à biossíntese da sacarose, o nome científico do açúcar. A importância desse achado é que, além de servir como adoçante no dia-a-dia, a sacarose é fundamental no processo de produção do etanol, o álcool automotivo. As variedades de cana que produzem mais sacarose são as mais desejadas pelos produtores de álcool. "Elaboramos um mapa com genes que funcionam como marcadores moleculares", diz a engenheira agrônoma Anete Pereira de Souza, coordenadora do estudo e professora do Departamento de Genética e Evolução do Instituto de Biologia e pesquisadora do Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética (Cbmeg), ambos da Unicamp. "Esses marcadores são pequenas variações nas seqüências das bases nitrogenadas que compõem um gene (guanina, citosina, timina e adenina) e podem estar associados a características de interesse comercial." A identificação desses genes partiu do resultado do Sucest, sigla para Sugar Cane EST (Etiquetas de seqüência expressa, correspondentes ao genoma expresso ou ativo de um organismo), mais conhecido como Genoma Cana, realizado entre 1999 e 2003 por cerca de 240 pesquisadores de universidades paulistas, pernambucanas e fluminenses. O trabalho resultou no conhecimento de cerca de 90% dos genes da cana, representados por 43 mil seqüências expressas de genes. A técnica usada foi o desenvolvimento de marcadores do tipo microssatélites a partir das seqüências expressas de cana, para posterior construção do mapa funcional e localização dos genes no genoma da espécie.

Fonte: Revista Pesquisa Fapesp /Marcos de Oliveira