Notícia

Jornal Brasil

Manifestações neozapatistas

Publicado em 13 março 2014

Muitos textos foram escritos sobre as passeatas de junho de 2013 no Brasil, especialmente em relação ao teor político, à legitimidade e à importância histórica dessas manifestações. Enquanto alguns intelectuais foram surpreendidos por sua dimensão, outros viram nas ruas uma expressão altamente simbólica das articulações do "net-ativismo".

Esta é, a propósito, a expressão-chave de um estudo sob o tema apoiado pela FAPESP, "Net-ativismo: ações colaborativas em redes digitais", liderado pelo sociólogo italiano Massimo Di Felice, coordenador do Centro de Pesquisa Atopos da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).

O trabalho, impulsionado pelo caráter internacional do net-ativismo, teve a colaboração de três sociólogos europeus: Michel Maffesoli, fundador e diretor do Centro de Estudos sobre o Atual e o Cotidiano da Universidade Sorbonne, em Paris; José Bragança de Miranda, do Centro de Estudos de Comunicação e Linguagem da Universidade Nova de Lisboa, e Alberto Abruzzese, do Núcleo Italiano de Midialogia da Universidade Livre de Língua e Comunicação, em Milão.

Os três, aliás, e mais Pierre Levy, participaram de 6 a 8 de novembro passado do congresso internacional sobre "Net-ativismo, redes digitais e novas práticas de democracia", na ECA-USP, cujos textos principais deverão estar reunidos em livro no final deste semestre.

Enquanto debatiam a montagem de um observatório internacional sobre o net-ativismo, Di Felice e colegas encontraram numerosas analogias, especialmente de forma, entre os novos modelos de participação nas redes digitais, entre 2011 e 2013.

"Embora fossem surpreendentemente parecidas as reivindicações", observa ele, os pesquisadores optaram por analisar as características das formas de interação entre os ativistas, as redes digitais e a territorialidade. Ou seja, em vez das motivações e dos argumentos políticos, "o que norteou a pesquisa foi a descrição das interações nessas manifestações e a amplitude de sua localização", acrescenta.

Antes, portanto, da efervescência política e cultural estimulada por diversas mobilizações nas redes e nas ruas, dentro e fora do eixo Rio-São Paulo, o sociólogo já tinha dado seus primeiros passos na investigação do potencial do ativismo articulado nas redes. "O início do estudo foi inspirado por meus percursos, que me levaram a investigar na década passada as formas de conflito na América Latina", conta Di Felice.

A princípio, o pesquisador se dedicou ao movimento zapatista, no México de 1994, que inaugurou o primeiro modelo de protesto global com cartas espalhadas na internet. "Em qualquer canto do mundo, todos os movimentos atuais encontram o zapatismo como movimento inspirador. Foi um marco. O rosto coberto dos black blocs e dos Anonymous vem dos zapatistas, assim como a recusa da luta pelo poder, a aversão às tradicionais bandeiras ideológicas e aos partidos políticos de qualquer tendência e a possibilidade de criar uma comunicação própria, como alternativa às mídias oficiais. Esses elementos já se encontravam todos no zapatismo", diz.

Leia a reportagem completa em http://revistapesquisa.fapesp.br/2014/03/10/manifestacoes-neozapatistas/.

Fonte: Revista Pesquisa FAPESP