Notícia

Suino.com

Manejo de florestas tropicais não altera diversidade de espécies arbóreas, diz Esalq

Publicado em 13 agosto 2020

Uma pesquisa desenvolvida na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) analisou a resposta das comunidades biológicas à exploração na Floresta Amazônica e concluiu que o manejo de florestas tropicais altera a abundância das espécies arbóreas, mas isso não é refletido em mudanças na diversidade.

Com autoria de Rafaela Pereira Naves, Vidar Grøtan, Paulo Inácio Prado, Edson Vidal e João Luís Ferreira Batista, o objetivo do estudo foi compreender a dinâmica da floresta para garantir a sustentabilidade do manejo. “As florestas na Amazônia representam uma importante fonte de madeira para a região e para o país e nosso objetivo é fazer com que essa exploração da floresta seja o mais sustentável possível”, disse Rafaela Pereira Neves.

O trabalho foi realizado no município de Paragominas, estado do Pará, onde os pesquisadores acompanharam duas parcelas permanentes da floresta durante cerca de 20 anos. Em uma das parcelas foi realizada a Exploração de Impacto Reduzido, e a outra foi mantida como controle.

“Ao contrário do que esperávamos, quando desconsideramos a identidade das espécies, não encontramos mudanças na estrutura de abundâncias da comunidade submetida ao manejo florestal”, falou a pesquisadora”. Segundo Rafaela, isso se deve ao fato de grande parte das mortes no manejo serem relacionadas às mortes acidentais (independentes da espécie). “Dessa forma, não foi possível detectar a interferência da exploração nas comunidades”.

No entanto, quando considerada a identidade das espécies, foram detectadas mudanças com espécies antes com poucos indivíduos ficando muito abundantes, e outras que costumavam ser comuns ficando raras na floresta, com menor recrutamento de espécies de interesse comercial. “Essas mudanças levaram cerca de uma década para começar a aparecer”, finalizou a autora.

A pesquisa foi financiada por U.S. Agency for International Development, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Norwegian Research Council.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Diário Agrícola AgroPlanning Página Rural Portal do Agronegócio