Notícia

Quimiweb

Maior base de dados gratuita sobre logradouros da Região Metropolitana de São Paulo é atualizada

Publicado em 02 junho 2021

Por Agência FAPESP*

A equipe do Centro de Estudos da Metrópole (CEM) acaba de atualizar a mais ampla base de dados disponível de forma gratuita sobre os logradouros da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). O banco contém informações sobre ruas, avenidas, travessas, pontes e viadutos da maior área metropolitana do Brasil. No total, são 326.058 segmentos ou trechos viários, de esquina a esquina, dos quais 89% têm nome, numeração dos imóveis e código de endereçamento postal (CEP).

“Esse número é bastante significativo, se levarmos em conta a excepcional dinâmica do espaço urbano metropolitano”, ressalta o pesquisador Daniel Waldvogel Thomé da Silva, responsável pela atualização do banco, em entrevista à Assessoria de Comunicação do CEM – um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) da FAPESP sediado na Universidade de São Paulo (USP)..

Silva conta que foi possível observar, durante o trabalho de construção e atualização dessa base de dados, a manutenção da tendência de adensamento e estabilização em detrimento da expansão do tecido urbano, mas que, ainda assim, a RMSP incorpora um grande volume de alterações: novos assentamentos, implantes residenciais, condomínios, eixos viários e de transporte urbano e grandes equipamentos.

Mariana Giannotti, coordenadora da Área de Transferência e Difusão do CEM, lembra que a base de logradouros é a principal dentro do conjunto dos arquivos cartográficos georreferenciados do acervo CEM referente à RMSP.

Desde o início dos anos 2000, quando foi criada, a base CEM de logradouros incorporou um grande número de alterações. Mais de 45 mil, o que corresponde a 14% do total de segmentos, foram alterados ou incorporados desde 2014. As alterações referem-se à geometria, ou seja, ao desenho ou traçado, ou aos dados referentes a cada segmento, os atributos. O traçado das vias, ou seja, o eixo das ruas, avenidas, rodovias, viadutos, pode ser realocado para um posicionamento mais preciso, assim como podem ser acrescidos novos segmentos. Os atributos podem igualmente ser ajustados ou complementados por nome da via, CEP, numeração imobiliária, distrito a que pertence, entre outros dados.

Outro processo usado para a construção e atualização da base de dados é a consulta a imagens e dados disponibilizados na internet, como o sistema Google ou sites oficiais de prefeituras e outros órgãos públicos. São feitas, ainda, incursões in loco, quando as fontes indiretas são insuficientes.

Essas e outras bases de dados do CEM estão disponíveis no site do centro. O usuário deve cadastrar o e-mail e, em seguida, selecionar, no menu do lado esquerdo, “TEMAS”, o item Sistema Viário ou Divisão Territorial.

* Com informações da Assessoria de Comunicação do CEM.

Republicar

Fonte: Agência FAPESP

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Investe São Paulo