Notícia

A Tribuna (Santos, SP) online

Ludo diverte e ensina

Publicado em 12 novembro 2010

Grupo de pesquisa financiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), o Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC) lançou hoje (10/08) o Ludo Educativo, game que trabalha com conteúdo de quatro disciplinas do ensino médio: química, física, matemática e biologia. O jogo foi produzido pela Aptor Software, uma "spin-off" (termo que designa empresas nascidas de parcerias com universidades) , com apoio do Instituto de Química, câmpus de Araraquara, e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais (INCTMN).

Espécie de simulado para pré-vestibulandos, o game apresenta questões que obedecem aos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio. O jogo foi desenvolvido originalmente por Manoel Guerreiro, licenciado em Química pela Unesp, e se baseia no clássico jogo indiano Pachisi, cujo objetivo principal é fazer com que o jogador chegue até o final do tabuleiro respondendo corretamente às questões que aparecem no percurso.

"Essa nova versão do jogo ganhou várias melhorias, como o aumento do número de questões, para duas mil, sendo quinhentas questões de cada disciplina, além de novas animações, personagens e efeitos sonoros", explica Thiago Jabur, coordenador da área de computação do Ludo Educativo. Jabur também é pesquisador do INCTMN e professor da Universidade Federal de Goiás. "Criamos ainda um ranking de pontuação, utilizado para premiar os participantes melhores colocados".

O Ludo Educativo é subdividido em quatro versões, com personagens e imagens diferentes. A cada novo jogo são sorteadas novas perguntas. Esse é o terceiro game desenvolvido sob coordenação de Elson Longo, diretor do CMDMC e do INCTMN e professor do Instituto de Química. "Esse projeto vem continuar o sucesso que obtivemos com o Chemical Sudoku, um jogo para ensino da tabela periódica, e com o Quebra-Cabeça de Nanotecnologia, em que o jogador deve montar partes de imagens nanométricas", diz Longo. "Esse dois anteriores, somados, tiveram mais de cem mil acessos, em várias partes do mundo."

Visando sempre à difusão do conhecimento e à inclusão digital, o jogo é uma ótima demonstração de que estudar também pode ser divertido. A versão para Web cumpre o papel de levar o jogo e o estudo de Química, Física, Matemática e Biologia a todas as escolas e lares que tenham acesso à internet. Esta nova versão teve a participação efetiva da seguinte equipe: professora Ariane Baffa, Rener Baffa da Silva, Rodrigo Tognolli Zauberas, Douglas Henrique Baracho da Silva, Ilaiali Souza Leite, Jaime Alberto Sanchez Cáceres.