Notícia

Jornal de Brasília

Lodo contamina o solo

Publicado em 25 setembro 2009

O lodo de esgoto é um resíduo das estações de tratamento que, em algumas localidades, deixaram de representar problema para o meio ambiente porque passou a ser utilizado como adubo, inclusive na agricultura. Seu uso é recomendado por ser rico em matéria orgânica, fósforo e riitrogênio. Entretanto, um novo estudo feito por um grupo de pesquisadores da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna-SP), mostrou que o uso de lodo de esgoto em uma cultura de milho pode resultar, a médio e longo prazo, em contaminação do solo com hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs).

O pesquisador Lourival Costa Paraíba, da Embrapa Meio Ambiente, que coordenou o estudo, explica que os HPAs são compostos químicos geralmente formados-a partir da queima incompleta de material orgânico, cuja presença foi observada em amostras de lodos. "Essas substâncias, poluentes orgânicos de grande persistência no meio ambiente, são nocivas a diversos organismos aquáticos e terrestres. Alguns deles são carcinogênicos ou mutagênicos", disse Paraíba.

Resultados

De acordo com o pesquisador, os resultados do projeto são importantes porque fornecem subsídios e orientação para decisões técnicas e políticas no sentido de cultivar ou não plantas utilizando lodo de esgotos. A pesquisa Bioconcentração de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs) em grãos de milho cultivados em solos com lodo de esgoto tem apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

"Embora saibamos que o lodo tem vários nutrientes, ele também possui poluentes. O estudo mostrou que o seu uso deve ser feito com muito critério e muita pesquisa. E, principalmente, que a sociedade precisa saber quando estiver consumindo um produto cultivado com lodo de esgoto", afirmou Paraíba.

De acordo com o estudo, os níveis de HPAs encontrados no milho não chegaram a afetar sua segurança para consumo. Mas os níveis encontrados no solo podem comprometê-lo a médio e longo prazos, com o uso contínuo do lodo.

Segurança é avaliada

De acordo com o pesquisador Lourival Costa Paraíba, além dos HPAs, certos lodos de esgoto podem contaminar cultivos agrícolas, solos, águas superficiais e subterrâneas com nitratos, metais pesados, patógenos, além de outros compostos orgânicos persistentes.

Além de Paraíba, que é matemático e foi responsável pela modelagem matemática do estudo, a equipe de pesquisa contou com outros pesquisadores da área de química, além de pessoal de apoio no laboratório e campo experimental.

"O objetivo foi avaliar a segurança do uso de lodo de esgoto como adubo de plantas cultivadas. Para isso, investigamos a absorção de algumas substâncias orgânicas presentes no lodo por plantas de milho. Pela primeira vez no Brasil observamos os níveis de HPAs em grãos de milho cultivados em áreas com histórico de aplicações de lodo de esgoto", explicou Paraíba.

Os pesquisadores mediram os níveis de resíduos de 16 diferentes HPAs em amostras de solos e de grãos de milho cultivados na estação experimental da Embrapa Meio Ambiente. A área foi utilizada durante seis anos consecutivos para o cultivo de milho com lodo.

De acordo com Paraíba, o estudo teve dois focos em relação à medição de níveis de HPAs: verificar a presença desses compostos no solo e verificar se eles se deslocam do solo para a planta.

"Os níveis de HPAs nas amostras de solo da estação experimental foram de cerca de 290 microgramas por quilo - considerada baixa contaminação para os padrões internacionais. Pudemos comparar os resultados cuja medição foi feita em solos onde não se utilizou lodo de esgoto, nos quais os níveis estiveram em cerca de 105 microgramas por quilo", esclareceu Paraíba.

Segundo o pesquisador, modelos matemáticos foram utilizados para indicar se os HPAs têm chance de chegar na parte superior da planta. Para confirmar esses dados e validar o modelo, análises do solo e dos grãos de milho foram realizadas utilizando a técnica de cromatografia gasosa com detedor seletivo de massas. Essa parte da pesquisa foi coordenada por Sônia Queiroz, responsável pelo Laboratório de Resíduos e Contaminantes da Embrapa Meio Ambiente.

"Os HPAs detectados em grãos de milho tinham de dois a quatro anéis aromáticos com mediana afinidade a lipídio e baixa solubilidade em água", esclareceu o pesquisador.