Notícia

Tribuna de Petrópolis

LNCC foi pioneiro em conexão com a internet

Publicado em 16 setembro 2019

Este ano se completam 31 anos da chegada da internet no Brasil. De lá para cá, muita coisa mudou, inclusive no campo tecnológico e a consequente popularização da internet. Mas o que pouca gente sabe é que o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) - na época estabelecido no Rio de Janeiro - foi o primeiro local a se conectar com os Estados Unidos pela internet. Quem conta essa história é o engenheiro de telecomunicações Augusto César Gadeiro, que é professor e diretor do LNCC.

As primeiras ligações foram feitas principalmente entre as Universidades de Stanford e Carolina do Norte, nos EUA. A rede era simples. Por meio de comandos, foi usada para a troca de mensagens entre os acadêmicos. “Quando as ligações começaram a chegar na Europa, as universidades começaram a perceber a importância do Brasil também fazer essa conexão”, explica o professor.

A primeira conexão foi feita em 1988, mas a pressão da comunidade científica junto ao CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) começou um pouco antes em meados de 1986. “Na época, tinha um monopólio na telecomunicação no Brasil. E a primeira batalha foi fazer com que a Telebras (Telecomunicações Brasileiras S/A) autorizasse que a conexão feita entre o LNCC e a Universidade de Stanford fosse distribuída para as universidades daqui”.

O primeiro protocolo criado para a conexão da internet era o Bitnet, o que exigia que cada conexão fosse feita por um CNPJ. Para ter uma ideia, o custo de uma conexão na época era em torno de US$ 12 mil, o que inviabilizava para as universidades. Nessa batalha, os pesquisadores conseguiram que além do Bitnet fosse implantado também o protocolo TCP/IP (que é o utilizado até hoje), sendo assim expandido para as universidades brasileiras.

Meses depois, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) conectou-se a uma universidade em Chicago, nos EUA. Expandindo a conexão para mais acadêmicos de todo o Brasil. Para o professor, a importância da participação do LNCC na chegada da internet no país se dá principalmente pela quebra de regras para que outras universidades também passassem a ter acesso à conexão.

Já no início dos anos 1990, com a criação do WWW (World Wide Web), empresários começaram a se interessar pela internet. E no governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso, houve uma pressão para que o serviço fosse expandido. A explosão foi rápida. Foi criado Comitê Gestor da Internet no Brasil que coordena e regulamenta as iniciativas de uso e funcionamento da internet no país.

Na época, o LNCC já era um centro de pesquisa e comunicação. O laboratório veio para Petrópolis em 1998. Hoje, é uma das instituições mais importantes do país. Líder na Computação Científica e Modelagem Computacional, atua no desenvolvimento da pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e como órgão governamental é provedor de infraestrutura computacional para a comunidade científica e tecnológica nacional.

Embora a internet tenha sido popularizada de tal forma que o que era mato se transformou em rede Wifi, o LNCC ainda tem uma forte participação. Principalmente no que diz respeito a apoio e parceria com instituições como o governo do estado, a Prefeitura de Petrópolis, Firjan e Sebrae ofertando instrumentos em Tecnologia da Informação.