Notícia

Nova Escola

Lição de casa com a Web 2.0

Publicado em 01 janeiro 2010

Uma velha aliada do processo de ensino e aprendizagem anda esquecida e até malfalada. Ela atende por várias alcunhas: lição, tema e tarefa de casa são as mais conhecidas. Em parte, esse comportamento está relacionado ao fato de que muitos professores não valorizam essa etapa do processo de construção do conhecimento e propõem atividades pouco intencionais. As crianças, por sua vez, não realizam o que foi pedido ou simplesmente copiam e colam informações da internet para se livrar do que foi pedido.

Esse cenário precisa mudar. "A lição de casa é o único momento em que a criança está longe da escola e se encontra com o que sabe e o que não sabe. É a hora de tomada de consciência das próprias dificuldades", diz Chris D"Albertas, psicóloga, professora do Colégio Vera Cruz, de São Paulo, e estudiosa do assunto. E mais: é uma maneira de desenvolver uma relação de responsabilidade com a própria aprendizagem e com os compromissos da vida, além de um estímulo à autonomia, já que não se trata de tarefas feitas simplesmente para entregar ao professor, mas de um instrumento poderoso de aprendizagem para o aluno. "Para nós, docentes, a lição possibilita rever o que foi planejado. Se, por exemplo, a turma teve dificuldade para realizar uma atividade, é sinal da necessidade de retomar o conteúdo trabalhado", completa Chris. Por isso, é fundamental rever como o material é recebido. "A escola faz a criança ver a tarefa como algo que ela precisa trazer certinho e que será corrigido pelo professor. E isso é um erro grande", ressalta a especialista. No momento da entrega, é preciso dar um retorno aos estudantes. Por que determinada questão não foi respondida? O que foi difícil resolver? Por quê? Por que houve muitas respostas distintas para a mesma questão? Em resumo, a boa lição de casa é aquela que desafia o aluno, fazendo com que ele coloque em jogo seus conhecimentos e perceba se há dificuldades.

CARA A CARA

Antes de entrar no mundo virtual, a turma tem acesso ao conteúdo nas aulas presenciaisPara a professora Karla Emanuella Veloso Pinto, eleita Educadora do Ano no Prêmio Victor Civita Educador Nota 10 de 2009, tudo isso estava muito claro, tanto que ela revolucionou a lição de casa de uma maneira bastante original (e acessível): usou a internet para definir e acompanhar como as turmas do 8º e 9º anos faziam as tarefas de Geografia que ela propunha (leia mais no quadro à direita). "Karla conseguiu se aproximar da realidade dos jovens, que vivem conectados, e mudar o jeito como eles encaram as tarefas", ressalta Sueli Furlan, docente da Universidade de São Paulo (USP) e selecionadora do Prêmio.

Como principal ferramenta de trabalho, Karla lançou mão de um ambiente virtual, uma espécie de rede de relacionamentos a serviço da Educação. Chats e fóruns foram usados não só para enviar as atividades para a garotada. Ela programava situações de debate online, tirava dúvidas via internet e ainda disponibilizava material de referência para a consulta bibliográfica. A ideia agradou a ponto de alguns estudantes passarem acessar as plataformas e publicar as pesquisas que realizavam e comentários a respeito das postagens dos colegas até mesmo durante os fins de semana e à noite.

Novos ambientes de aprendizagem

SEM FRONTEIRAS

Karla inovou o conceito de lição de casa trabalhando online com toda a turmaKarla Emanuella Veloso Pinto tem 29 anos, a Educadora Nota 10 de 2009, e é natural de Lavras, a 240 quilômetros de Belo Horizonte, e mãe de uma menina de 9 anos. Formada em Filosofia, começou a lecionar Geografia assim que terminou a faculdade. No começo do ano passado, resolveu encarar uma proposta desafiadora: explorar o ambiente virtual de aprendizagem com as turmas de 8º e 9º ano do Centro Educacional NDE Ufla, escola que fica instalada no campus da Universidade Federal de Lavras (Ufla) e tem apoio da instituição. Foi uma aluna da universidade quem desenvolveu e disponibilizou essa rede de relacionamentos a serviço da Educação. "Eu nunca tinha usado a internet para acompanhar a aprendizagem dos meus alunos e nem sabia como começar. Tive de aprender a usar os recursos e planejar cada passo", conta a professora.

- Objetivos

Quando ofereceram o ambiente virtual para Karla trabalhar, ela percebeu que a ferramenta permitiria estabelecer relações entre as aulas presenciais e as tecnologias que fazem parte do cotidiano dos alunos. Além disso, seria possível valorizar a lição de casa, acompanhar as dúvidas da turma e acabar com um problema que invadiu as escolas: os trabalhos copiados da internet.

- Passo a passo

Primeiro os alunos e a professora tiveram de aprender a usar o ambiente virtual desenvolvido pela Ufla. A navegação e as ferramentas são bem simples, nada muito diferente do que se encontra na internet - o grande diferencial é que se trata de um ambiente fechado, ao qual só a turma tem acesso. Nas aulas presenciais, eram trabalhados os conteúdos relacionados à ordem socioeconômica mundial e aos conflitos entre países. Ao acessar o ambiente virtual, os jovens tinham de postar pesquisas sobre o tema e opinar usando argumentos consistentes. Fóruns e chats possibilitavam à professora tirar as dúvidas que restavam em sala e verificar se todos estavam lendo os textos de referência e participando de modo satisfatório das discussões.

- Avaliação

Uma das vantagens de trabalhar com um ambiente virtual é que tudo fica registrado na rede: quem entregou o quê, a que horas, como foi a participação de cada aluno nas discussões etc. Isso permitiu que Karla acompanhasse as aprendizagens de perto revisse o planejamento sempre que percebia que alguma coisa não estava clara, além de analisar o posicionamento de todos (sem exceção), pois em sala há sempre estudantes que participam menos que outros.

Recursos gratuitos ajudam a turbinar as aulas

É fato que professores de todas as disciplinas podem se beneficiar do uso de uma série de elementos disponíveis na internet, como blogs, chats e fóruns de discussão. Além de muitos estarem disponíveis gratuitamente (basta se cadastrar para ter acesso e publicar o conteúdo desejado), a inclusão digital é uma realidade cada vez mais presente não só nas escolas como também na casa dos brasileiros.

DIRETO DA INTERNET

Os saberes conquistados no ambiente virtual são expostos em sala, durante semináriosDe acordo com estudo da Fundação Victor Civita (FVC), encomendado ao Ibope, 98% das escolas públicas das capitais brasileiras têm computadores e 83% acessam a internet por banda larga. No entanto, há que se destacar que para a disciplina de Geografia o ganho de trabalhar online é ainda maior: os conteúdos disponíveis na rede estão muito ligados a assuntos do dia a dia (como guerras, política ambiental e sustentabilidade) e são encontrados em inúmeros sites de notícias e outras páginas de informação (leia o projeto didático na página seguinte). Além disso, com o computador conectado, é possível ter contato com muitos tipos de mapas, vídeos e capítulos de livros que servem como referência bibliográfica.

"As ferramentas virtuais devem ser escolhidas de acordo com o perfil dos alunos e do trabalho que se quer desenvolver. Cada recurso aciona uma habilidade específica e é capaz de proporcionar uma experiência diferente", ressalta Levon Boligian, professor de Metodologia do Ensino de Geografia da Universidade Estadual do Norte do Paraná (Uenp). O blog, por exemplo, é um ambiente virtual exclusivo e pode ser atualizado de maneira simples. É perfeito para publicar textos e estimular os comentários da garotada sobre eles, propor pesquisas para serem publicadas ali mesmo etc. Já os fóruns são úteis para concentrar a discussão a respeito de um assunto específico. O docente pode colocar algumas informações sobre um tema que esteja sendo trabalhado em sala e propor um debate embasado em argumentos construídos pela turma depois de todos terem analisado o material.

Quer saber mais?

CONTATOS

Centro Educacional NDE Ufla, Campus Histórico da Universidade Federal de Lavras, s/n, 37200-000, Lavras, MG, tel. (35) 3829-1187

Chris D"Albertas

Karla Emanuella Veloso Pinto

Levon Boligian

BIBLIOGRAFIA

O Ensino de Geografia no Século XXI, José Willian Vesentini, 288 págs., Ed. Papirus, tel. (19) 3272-4500, 49,90 reais

INTERNET

Em Spaceblog, Blogspot, Wordpress e Forumeiros, espaço e instruções para criar blogs e fóruns gratuitamente.

Ambiente virtual da turma

- Entrar em contato com ferramentas de ambientes virtuais, como blogs e fóruns de discussão.

- Conhecer novos meios de pesquisa e de desenvolvimento de atividades extraclasse.

- Produzir um blog e participar de um fórum virtual sobre recursos renováveis e não renováveis.

Conteúdos

- Pesquisa de ambientes virtuais na internet.

- Gênero blog.

- Recursos renováveis e não renováveis.

Anos

7º ao 9º.

Tempo estimado

Dez aulas.

Material necessário

Computadores com acesso à internet. Textos Recursos Naturais, Conservação dos Recursos Naturais, Combustíveis Não-Renováveis, Projeto de Ensino de Geografia, Pré-Sal, Entenda o Que É a Camada Pré-Sal e Lula Admite Vetar Dispositivo do Pré-Sal Que Afete União. Charges sobre a camada pré-sal 1, 2 e 3.

Desenvolvimento

1ª etapa

Pergunte aos alunos o que eles sabem sobre a camada pré-sal e por que o petróleo é um recurso valioso. Se as reservas são tão grandes, ele não deveria custar menos? Acompanhe a argumentação dos jovens e exponha os conceitos de recursos renováveis e não renováveis, abordando questões que expliquem o que são, como se formam e qual a importância deles. Para referência bibliográfica, leia os quatro primeiros textos indicados no item material necessário.

2ª etapa

Converse com os alunos a respeito de ferramentas virtuais de interação. Para que servem blogs e fóruns? Quais as características do texto de cada um deles? Convide a turma a criar um blog e um fórum para conhecer mais a respeito de recursos renováveis e não renováveis, realizando pesquisas e conversas a respeito. Explique que esses ambientes virtuais vão funcionar como uma atividade extraclasse e é importante que todos se cadastrem como usuários de ambas as ferramentas para participar.

3ª etapa

Para inaugurar o blog, crie um post a respeito do que são recursos renováveis e não-renováveis, retomando o que foi exposto na primeira etapa e proponha que todos os estudantes pesquisem a respeito da bacia petrolífera do Tupi e registrem suas descobertas. Do que se trata? Onde está localizada? Que tipo de recurso pode ser extraído dela? É renovável ou não? Qual a importância dos estudos e da exploração dela para o nosso país? Antes da pesquisa propriamente dita, é importante abordar a validade das fontes consultadas. Questione a turma sobre o que fazer para verificar se o material acessado tem qualidade para servir de bibliografia. É importante que os estudantes concluam que sites de órgãos públicos, instituições de pesquisa e publicações (como da Petrobras, da revista Pesquisa Fapesp, da revista National Geographic, e da revista Scientific American Brasil) são fontes mais confiáveis. Defina um prazo para as postagens e enfatize a importância de os alunos lerem os posts dos colegas e de todas as descobertas bibliográficas serem socializadas.

4ª etapa

Analise os registros dos alunos e comente cada um deles, questionando os autores, se necessário. Marque uma nova data para avaliar as respostas. Em sala, comente o desenvolvimento do blog para estimular mais participações.

5ª etapa

Agora, o ambiente virtual explorado será o fórum e você será o mediador. Elabore um texto para fomentar a discussão que envolva a camada pré-sal. Como bibliografia, recorra às charges e aos três últimos textos indicados no item Material Necessário. Combine um período para todos publicarem seus pontos de vista a respeito do assunto.

Produto final

Ambiente virtual da turma.

Avaliação

Avalie as fontes de pesquisa dos alunos, a qualidade e a autenticidade dos textos, a assiduidade na participação e os argumentos de cada um. Proponha uma questão a ser respondida individualmente no blog. Como a exploração dos recursos renováveis e não renováveis interfere na questão da sustentabilidade ambiental? Os alunos devem elaborar um texto argumentativo.