Notícia

Cosmo

Larvas e insetos ajudam esclarecer crimes

Publicado em 12 dezembro 2010

Quem acompanha a série de televisão norte-americana CSI: Investigação Criminal com certeza conhece o personagem protagonista Gil Grisson, um entomologista forense que trabalha em um laboratório criminal. A entomologia forense é a aplicação do estudo da biologia de insetos e outros artrópodes em, por exemplo, processos criminais, pois estuda evidências suscetíveis em eventos como assassinato, suicídio, estupro e abuso físico, para determinar local e tempo dos incidentes de acordo com a fauna encontrada no corpo e o estágio de desenvolvimento.

A série de ficção mostra um procedimento extremamente importante dos institutos especializados da vida real, devido ao fato dos insetos serem dotados de órgãos ultrassensíveis a odores, e por isso costumam ser os primeiros a encontrar um cadáver, em alguns casos podem chegar ao local de uma morte em cerca de dez minutos. Tudo isso levou uma pesquisa coordenada pelo professor Arício Xavier Linhares, do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapesp), a mapear em diversas regiões os insetos de interesse forense presentes no Estado de São Paulo com o intuito de fornecer melhor embasamento aos peritos.

Os dados levaram em conta as migrações dos insetos em diferentes ambientes: urbano, rural e silvestre, e devido a grande diversidade de insetos, os pesquisadores consideram importante a criação de um banco de dados para auxiliar nas investigações. Os insetos podem indicar movimentação no corpo e a presença de substâncias químicas, além do local e até mesmo o modo e a causa da morte. "Tínhamos apenas uma ideia das espécies presente em São Paulo, mas não sabíamos com exatidão a sua distribuição pelos diferentes biomas e regiões do Estado", explicou Linhares à fundação.

Segundo Becker, a entomologia forense é geralmente utilizada em casos que envolvem corpos encontrados em áreas rurais e em estado avançado de decomposição, mas a técnica não serve apenas em casos de morte. Os insetos podem ajudar também em situações que envolvem pessoas que sofrem maus tratos. "Quando não existe uma higiene adequada, proporcionando assaduras e feridas, é possível saber há quanto tempo a pessoa não recebe uma limpeza adequada, e isso é importante em investigações, por exemplo, de hospitais, asilos, etc."