Notícia

O Povo

Lançamentos sobre aves e semi-árido

Publicado em 25 março 2006

Na semana passada, na Oitava Reunião da Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP 8), três importantes publicações foram lançadas. Duas delas tratam sobre a biodiversidade no semi-árido

O Semi-Árido é uma região esquecida em praticamente todos os sentidos. Mesmo do ponto de vista científico, não faz muito tempo que a biodiversidade da Caatinga passou a ser reconhecida. Durante a Oitava Reunião da Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP 8), em Curitiba, duas importantes contribuições para o conhecimento da região chegam em forma de livro. Na reunião, também foi lançada uma obra sobre a conservação das aves no Brasil.
Towards greater knowledge of the Brazilian Semi-Árido, em inglês, apresenta um inventário do que se sabe da biodiversidade da região. Todas as pesquisas foram financiadas pelo Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio), do Ministério da Ciência e Tecnologia. Feito especialmente para o público internacional, o livro traz artigos que mostram a experiência da pesquisa com herbários e a situação dos animais na região, além do uso de novas metodologias. A publicação se completa com um CD-ROM, com imagens e a versão do livro em português.
A segunda publicação, Checklist, é um levantamento da biodiversidade nordestina, o primeiro de uma região inteira, e possui mais de 8 mil espécies de plantas catalogadas. A estimativa é que existam no Brasil cerca de 60 mil espécies, sendo que 14% desse total está representado no livro. O trabalho envolveu mais de 120 autores e teve a participação de institutos internacionais. Também em inglês, Checklist, assim como Towards greater knowledge of the Brazilian Semi-Árido, será distribuído para representantes da comunidade científica.
Além disso, a Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil (Save), braço da Birdlife International no País, lança na reunião em Curitiba a obra Áreas importantes para a conservação das aves no Brasil. As regiões descritas no livro foram mapeadas em estudo que durou cinco anos. Entre as 163 áreas identificadas no Brasil, que somam 8,3 milhões de hectares, a Bahia aparece como o estado com mais número de regiões críticas, 31, seguida por Minas Gerais, com 18. Em superfície, o Rio Grande do Sul é o primeiro na lista, com pouco mais de 1 milhão de hectares distribuídos em 12 áreas importantes para conservação.
O Brasil tem cerca de 1,8 mil espécies de aves, o equivalente a 20% das espécies do mundo. É o terceiro país em diversidade de aves, atrás apenas da Colômbia e do Peru. No entanto, é o primeiro em número de espécies em extinção. Das 1.212 aves ameaçadas, 118 estão no país, incluindo o mutum-do-nordeste (Mitu mitu) e a ararinha-azul (Cyanopsitta spixii).
Agência FAPESP

Serviço
Mais informações sobre o livro: birdlifebrasil@uol.com.br
Mais informações sobre a COP 8: www.biodiv.org e www.cdb.gov.br