Notícia

Gazeta Mercantil

LANÇAMENTO - Meio século de pesquisas

Publicado em 18 setembro 2002

Por Cyro Queiroz Fiúza - De São Paulo
A trajetória do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico passou a ser mais conhecida desde ontem, com o lançamento do livro '50 anos do CNPq, contados pelos seus presidentes', ocorrido na sede da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). A partir da fundação da entidade, em 1951, o livro desvenda a história de meio século de atuação do CNPq, contada em grande parte por depoimentos de seus ex-presidentes até chegar ao atual, Esper Cavalheiro, para quem o grande desafio da instituição "é recuperar o seu papel fomentador do desenvolvimento científico e tecnológico e garantir verbas". Ao longo de 717 páginas, os 15 ex-presidentes entrevistados em momentos diversos (os outros cinco já haviam falecido na época de coleta dos depoimentos) falam sobre a formação do CNPq, as ações e dificuldades enfrentadas no decorrer da segunda metade do século 20. Shozo Motoyama, professor do departamento de história da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, mais três pesquisadores do Centro Interunidade da História da Ciência da mesma universidade, Edson Manoel Simões, Marilda Nagamini e Renato Teixeira Vargas, foram os responsáveis pela gravação de centenas de horas de entrevistas. Além dessa documentação gravada, a equipe de Motoyama reuniu grande quantidade de dados sobre o CNPq, o que permitiu traçar os contornos das políticas científica e tecnológica implementadas nos últimos 50 anos no País. Segundo dados do CNPq, o Brasil tem hoje 11,7 mil grupos de pesquisa em todo o País, formados por 48.781 pesquisadores das mais diversas áreas de conhecimento.