Notícia

Portal da Universidade Federal de São Paulo

Lançamento do Global Action Fund for Fungal Infections (GAFFI) na Escola Paulista de Medicina

Publicado em 19 novembro 2013

Em seus 80 anos, a Escola Paulista de Medicina recebeu o lançamento do Global Action Fund for Fungal Infections - GAFFI no Brasil. A cerimônia aconteceu no anfiteatro Leitão da Cunha no último dia 18 de novembro, às 10h30. O GAFFI com sede em Genebra tem como missão desenvolver a atividade de educação, portanto de ensino e estimular a pesquisa e promover agendas que possam reduzir a mortalidade por infecção fúngica no mundo todo. Arnaldo Colombo, professor e médico da Unifesp, iniciou a cerimônia falando sobre os impactos dos fungos patogênicos na saúde pública e voltou-se para o cenário urbano. "Há mais de 20 anos eu tenho o desprazer de anunciar que nós não reduzimos em nada a mortalidade de epidemia e obviamente está muito relacionado a diagnóstico que não é realizado ou é realizado tardiamente”.

 

A carga fúngica no Brasil é enorme não só no reino vegetal como também no reino animal e em animais inferiores e superiores. A mortalidade associada é inaceitável nesse meio e são taxas altas comparadas ao mundo não só de incidências, mas de mortalidade. Não há dúvida de que é preciso parceiros para incorporar novas estratégias diagnósticas e terapêuticas para oferecer uma sorte melhor para esses pacientes. A professora titular da disciplina de Biologia Molecura e presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Helena Nader explicou o porquê devemos nos importar com fungos patogênicos e que houve um aumento deles devido as mudanças climáticas. O aumento de fungos emergentes mostra números recentes de doenças fúngicas e de fungos que têm causado algumas das mais graves mortalidades e extinção em espécies silvestres desde plantas a animais, colocando em risco inclusive a segurança alimentar.

 

Já José Osmar Medina Pestana, docente titular da Nefrologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) falou sobre o aumento de população de risco. E tentou mostrar o lado positivo das apresentações, ressaltando que nem todo fungo é ruim. Tem os que fazem parte da fermentação da cerveja e também nas usinas de açúcar. O professor e médico anestesiologista José Luiz Gomes do Amaral ressaltou sobre a declaração da Associação Médica Mundial. Disse que as doenças não são analisadas adequadamente, não são olhadas com atenção no sentido de permitir seu diagnóstico clínico, as culturas são frequentemente e falsamente negativas e os diagnósticos não são frequentemente realizados. O professor Eduardo Krieger, mestre da faculdade da USP de Ribeirão, ex-presidente da Academia Brasileira de ciências e vice presidente da Fapesp, explicou sobre o fomento da pesquisa em saúde no Brasil.

 

Para finalizar a reitora da Unifesp, Soraya Smaili, que está na Universidade há 28 anos, compartilhou a alegria de ter tantas pessoas importantes no lançamento. "Desde a associação de pós-graduandos conheço o Arnaldo e gostaria de parabenizá-lo, falar sobre toda sua contribuição à pesquisa em uma área que pouca gente se interessou e desenvolveu. E você com muita liderança foi trazendo, formando pessoas e colocando isso dentro do programa de pós-graduação". A reitora também citou uma questão que a preocupa muito que é o financiamento da pesquisa e a retomada do plano de ampliação do programa de pós-graduação e da pesquisa. “É preciso ter mais investimento, é necessário bater muito nesta tecla agora. É importante criar essa pressão no sistema”, concluiu Soraya.