Notícia

Rádio Tirol

Lajeado - Palestra sobre inovação encerra II Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Conhecimento

Publicado em 25 junho 2018

Com a palestra “Pesquisa para Inovação: um panorama no Brasil”, proferida pelo doutor Lúcio Angnes, pesquisador da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), chegou ao fim, nesta sexta-feira, 22, a segunda edição do Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Conhecimento. O evento foi realizado pela Universidade do Vale do Taquari - Univates desde a última quinta-feira, 21, e reuniu pesquisadores brasileiros e estrangeiros.
Durante o evento de encerramento, Angnes afirmou que existe uma assimetria entre a produção científica e a inovação no Brasil. “A cada ano, são formados cerca de 12 mil novos doutores e publicados mais de 35 mil artigos científicos, porém há uma média de 196 solicitações de patentes por ano. Precisamos aprender a patentear”, afirmou ele.
Angnes disse ainda que a relação entre pesquisa e inovação nem sempre é proporcional. “Pesquisa é esforço; inovação é resultado. E essa relação nem sempre é linear”, analisou ele, acrescentando que geralmente imagina-se que a inovação ocorra dentro das universidades. “Porém, cerca de 60% da inovação no Brasil ocorre nas indústrias. Nos Estados Unidos, esse percentual chega a 85%”, comparou Angnes.
O pesquisador também falou sobre o histórico e projetos da Fapesp, como a “Pesquisa Inovativa na Pequena Empresa (PIPE)”, que desde 1997 tem selecionado projetos para fomentar a inovação em empresas de pequeno porte localizadas no estado de São Paulo.
O congresso teve ainda apresentações orais de trabalhos que contemplaram os eixos de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação Stricto Sensu e as seguintes áreas do conhecimento: Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Exatas e da Terra, Ciências Biológicas, Engenharias, Ciências da Saúde, Linguística, Letras e Artes. A programação também foi composta por outras três palestras, confira:
Extensão
Na tarde da sexta-feira, 22, a palestra “A reinvenção da extensão enquanto espaço de aprendência”, com Simone Loureiro Brum Imperatore.
Pesquisa na América Latina
Na manhã da quinta-feira, 21, a palestra “A pesquisa científica na América do Sul" abriu a programação do evento e contou com a participação da professora doutora Simone Stülp, que falou sobre o âmbito investigativo no Brasil. Na sequência a professora doutora Nidia Yaneth Torres Merchan, da Universidad Pedagógica y Tecnológica de Colombia, da Colômbia, apresentou um panorama da pesquisa dentro do país colombiano. Por fim, Jorge Valdés, professor doutor da Universidad Mayor, do Chile, destacou a importância da ligação entre as Instituições que fomentam a investigação e o setor produtivo.
Inovação
Na tarde da quinta-feira, 21, o doutor Luis Humberto de Mello Villwock proferiu a palestra “Como desenvolver o espírito de inovação”.
Texto: Nicole Morás
Fotos: Nicole Morás
Assessoria de Imprensa
Setor de Marketing e Comunicação - Univates

Com a palestra “Pesquisa para Inovação: um panorama no Brasil”, proferida pelo doutor Lúcio Angnes, pesquisador da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), chegou ao fim, nesta sexta-feira, 22, a segunda edição do Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Conhecimento. O evento foi realizado pela Universidade do Vale do Taquari - Univates desde a última quinta-feira, 21, e reuniu pesquisadores brasileiros e estrangeiros.

Durante o evento de encerramento, Angnes afirmou que existe uma assimetria entre a produção científica e a inovação no Brasil. “A cada ano, são formados cerca de 12 mil novos doutores e publicados mais de 35 mil artigos científicos, porém há uma média de 196 solicitações de patentes por ano. Precisamos aprender a patentear”, afirmou ele.

Angnes disse ainda que a relação entre pesquisa e inovação nem sempre é proporcional. “Pesquisa é esforço; inovação é resultado. E essa relação nem sempre é linear”, analisou ele, acrescentando que geralmente imagina-se que a inovação ocorra dentro das universidades. “Porém, cerca de 60% da inovação no Brasil ocorre nas indústrias. Nos Estados Unidos, esse percentual chega a 85%”, comparou Angnes.

O pesquisador também falou sobre o histórico e projetos da Fapesp, como a “Pesquisa Inovativa na Pequena Empresa (PIPE)”, que desde 1997 tem selecionado projetos para fomentar a inovação em empresas de pequeno porte localizadas no estado de São Paulo.

O congresso teve ainda apresentações orais de trabalhos que contemplaram os eixos de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação Stricto Sensu e as seguintes áreas do conhecimento: Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Exatas e da Terra, Ciências Biológicas, Engenharias, Ciências da Saúde, Linguística, Letras e Artes. A programação também foi composta por outras três palestras, confira:

Extensão

Na tarde da sexta-feira, 22, a palestra “A reinvenção da extensão enquanto espaço de aprendência”, com Simone Loureiro Brum Imperatore.

Pesquisa na América Latina

Na manhã da quinta-feira, 21, a palestra “A pesquisa científica na América do Sul" abriu a programação do evento e contou com a participação da professora doutora Simone Stülp, que falou sobre o âmbito investigativo no Brasil. Na sequência a professora doutora Nidia Yaneth Torres Merchan, da Universidad Pedagógica y Tecnológica de Colombia, da Colômbia, apresentou um panorama da pesquisa dentro do país colombiano. Por fim, Jorge Valdés, professor doutor da Universidad Mayor, do Chile, destacou a importância da ligação entre as Instituições que fomentam a investigação e o setor produtivo.

Inovação

Na tarde da quinta-feira, 21, o doutor Luis Humberto de Mello Villwock proferiu a palestra “Como desenvolver o espírito de inovação”.

Texto: Nicole Morás

Assessoria de Imprensa

Setor de Marketing e Comunicação - Univates