Notícia

Diário de Sorocaba

Laboratório de Biomateriais da PUC-SP desenvolve pesquisas inéditas no País

Publicado em 31 dezembro 2013

Atualmente, o Laboratório de Biomateriais da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde (FCMS) da PUC-SP desenvolve pesquisas sobre cultura de células, síntese, caracterização e degradação de polímeros e estudos in vivo em animais. “Vivenciamos um dos momentos mais intensos deste grupo de pesquisa, graças ao apoio que temos recebido da reitoria e da Fundação São Paulo, nossa mantenedora”, resume a coordenadora do órgão, professora Eliana Aparecida de Rezende Duek. As pesquisas recebem recursos da Fapesp, Finep e CNPq.

Um dos estudos em curso está relacionado ao desenvolvimento de polímeros que poderão substituir os metais utilizados em diversos tipos de cirurgia, sobretudo nas realizadas em vítimas de traumas com fraturas ósseas de pequeno e médio porte nas regiões do crânio e bucomaxilofacial.

Esse tipo de polímero poderá ser fabricado no Brasil e seus dispositivos custarão, aproximadamente, oito vezes menos que os atualmente empregados, como placas e parafusos que só são fabricados no exterior. “Não temos dados exatos, mas acreditamos que a economia gerada por essa substituição será de milhões de reais, o que beneficiará o Sistema Único de Saúde, as operadoras de planos de saúde e, logicamente, os pacientes”, diz a professora Eliana Duek.

Mais importantes que a economia gerada serão os benefícios à vida desses pacientes. Os polímeros desenvolvidos no laboratório da PUC-SP terão a capacidade de se degradar dentro do corpo humano, além de serem atóxicos. “Dessa forma, eliminam-se a necessidade e os riscos de uma segunda cirurgia para a retirada dos dispositivos – como ocorre no caso dos metálicos”, explica Eliana.

Outra pesquisa inédita no Brasil e em curso no Laboratório de Biomateriais da FCMS envolve a área de engenharia tecidual e testa o desenvolvimento in vitro de células sadias. Na prática, isso significa que um tecido ou órgão comprometido por determinada patologia poderá ser reconstruído em laboratório a partir da retirada de células sadias da própria pessoa. A engenharia tecidual é um campo interdisciplinar que aplica os princípios da engenharia e das ciências da vida para desenvolver substitutos biológicos que restaurem, mantenham ou melhorem a função de um tecido ou órgão.

Academicamente, o centro de pesquisas da FCMS é um importante campo de desenvolvimento para os alunos dos cursos de Medicina e Ciências Biológicas da instituição. “Toda universidade tem de estar envolvida em pesquisa”, destaca a professora. “Para os estudantes, este laboratório representa a possibilidade de aplicarem seus conhecimentos em prol da ciência, tecnologia e inovação.”