Notícia

Tribuna do Norte (Natal, RN)

Laboratório da UFRN vai integrar Projeto Genoma

Publicado em 14 julho 2000

O laboratório de mutagênese do departamento de Biologia Celular e Genética da UFRN foi selecionado para participar, através de pesquisas na área de genes de reparo do DNA, do "Programa Genoma - FAPESP (Fundação de Amparo à pesquisa do Estado São Paulo)", dentro do Projeto Genoma Cana-de-açúcar. Esse projeto tem como objetivo seqüenciar, mapear e caracterizar funcionalmente o genoma da cana-de-açúcar. A vice-coordenadora do projeto do laboratório de mutagênese da UFRN, Sílvia Regina Batistuzzo de Medeiros, acredita que além dos benefícios paia a ciência, o projeto vai valorizar o potencial do Rio Grande do Norte. A meta do projeto da UFRN é procurar seqüências de DNA, no genoma da cana-de-açúcar, relacionadas ao reparo da molécula de DNA. A molécula de DNA contém todas as informações vitais a um organismo. O reparo do DNA é um sistema de defesa do organismo que corrige eventuais lesões na molécula do DNA. Um sistema de reparo eficiente contribui paia diminuir a taxa de mutação, prevenindo assim, doenças. As plantas têm uma grande interação com o meio ambiente e por isso é possível supor a existência de adaptações especiais em relação ao reparo do DNA. Entretanto, muito pouco é conhecido ainda deste mecanismo nas plantas. Assim, a compreensão do funcionamento das enzimas envolvidas neste processo de reparo do DNA poderá contribuir para o tratamento de doenças genéticas na cana-de-açúcar especificamente. Apesar de toda a parte teórica estar elaborada, as verbas para a consolidação do projeto ainda não estão disponíveis, isso porque a FAPESP não financia nenhum projeto fora de São Paulo. Esperamos também contar com o governo estadual para podermos seguir adiante com as pesquisas", explica a vice-coordenadora do projeto. O projeto de "genes de reparo" é o primeiro do Estado a ser aprovado pela FAPESP no Rio Grande do Norte. O projeto está incluído ainda na lista dos 35 projetos aprovados em todo o Brasil para o estudo do genoma da planta. A primeira reunião acontece no próximo dia 27, no auditório da FAPESP em São Paulo.