Notícia

Revista USE online

Juventude, Cidade e Tecnologias Comunicativas

Publicado em 18 janeiro 2021

Por Revista USE

23 de janeiro, sábado

Juventude, Cidade e Tecnologias Comunicativas

Desde o início da pandemia do coronavírus no Brasil, as ciências humanas – sobretudo as sociais – discutem o quanto esse momento traria à tona diversas desigualdades presentes em nossa sociedade. Conflitos têm se dado nos espaços da internet, com destaque para a ascensão de grupos conservadores, que se apropriam do uso massivo das redes sociais para difundir suas ideias, muitas vezes fundamentadas em discursos negacionistas e anticientíficos. Como utilizar, então, a internet e suas ferramentas de comunicação para difundir o pensamento científico de maneira clara e ainda engajar os jovens? Como a comunicação popular pode auxiliar no combate às desigualdades? No encontro, o antropólogo Guilhermo Aderaldo e o cineasta Daniel Fagundes conversam sobre comunicação popular, divulgação científica e a importância de engajar os jovens, escutando o que eles têm a dizer e crendo na capacidade de suas contribuições, por meio dos projetos que os pesquisadores têm realizado na internet.

Participantes:

Daniel Fagundes – cineasta, educomunicador e poeta, sócio-fundador da Caramuja: Pesquisa, Memória e Audiovisual. Diretor dos filmes “Imagens de Uma Vida Simples” (2006), “Sangoma” (2013), “A Primeira Boca, A Primeira Casa” (2015), “Oxente, Bixiga!”, (2020) e “O Olhar de Edite”. (2021). Escreveu uma série de artigos para livros e revistas populares e acadêmicas, como “Sampa Mundi”, “Revista do Vídeo Popular”, “Revista Viração”, etc. É autor dos livros “Lágrima Terra” (Edições Toró, 2009); “FLOR(E)CIMENTO” (Nóis por Nóis, 2018); e “Contos para Descontar o Descontentamento com a Vida” (Selin Trovoar, 2020).

Guilhermo Aderaldo – doutor em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo (USP). Atua como pesquisador e professor do Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pelotas (Ppgant/Ufpel). É autor do livro: “Reinventando a Cidade: Uma Etnografia das Lutas Simbólicas entre Coletivos Culturais Vídeo-Ativistas nas ‘Periferias’ de São Paulo” (Annablume/Fapesp, 2017) e um dos organizadores do livro “Práticas, Conflitos, Espaços: Pesquisas em Antropologia da Cidade” (Gramma/Fapesp, 2019).

Mediação e apresentação:

Emily Fonseca, historiadora, pesquisadora no Centro de Pesquisa de Formação do Sesc São Paulo.