Notícia

Hoje em Dia

Juiz de Fora terá Instituto Tecnológico

Publicado em 06 março 2009

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) acaba de criar 22 novos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs), dentre eles, mais um com sede em Minas Gerais. Os INCTs representam o foco de um programa do CNPq, que, com o apoio de parceiros, objetiva incentivar a pesquisa, a formação de recursos humanos e a transferência de tecnologia, agindo de forma estratégica no sistema nacional de C&T.   

Os INCTs congregam universidades e centros de pesquisas em atividades voltadas para áreas específicas do conhecimento. Com a aprovação dos novos institutos, serão agora 123, espalhados por todo o país, com o total de R$ 581 milhões em recursos.

Minas Gerais, além dos 12 Institutos aprovados na primeira avaliação, conta agora também com o INCT de Energia Elétrica, sediado na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). O novo órgão mineiro receberá R$ 4 milhões, sendo metade da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e a outra do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do CNPq.

Os outros 12 institutos temáticos instalados em Minas são: café, medicina molecular, nanomateriais de carbono,  nano-biofarmacêutica, combate à dengue, planta-praga, desenvolvimento de vacinas, pecuária, ciência animal, engenharia, web e biodiversidade. A Fapemig investirá R$ 36 milhões no programa, o que representa o segundo maior aporte estadual de recursos. Outros R$ 36 mi serão destinados pelo CNPq.

Estes institutos são originados em projetos de universidades, como a Federal de Minas Gerias (UFMG), a Federal de Uberlândia (UFU) e a Federal de Viçosa (UFV), além de centros de pesquisa como o Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN). "São institutos em áreas estratégicas, e é muito importante para Minas que eles cumpram seu papel. A Fapemig e o CNPq farão o monitoramento cesses grupos no Estado", diz o secretario-adjunto de Ciência e Tecnologia de Minas Gerais, Evaldo Vilela.

Além da 7apemig, participam da iniciativa a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Ministério da Saúde, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e as Fundações de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp), do Amazonas (Fapeam), do Pará (Fapespa), do Rio de Janeiro (Faperj) e de Santa Catarina (Fapesc). As Fundações do Piauí e do Rio Grande co Norte também manifestaram interesse, enquanto a Petrobras anunciou contribuição de R$ 21 mi na área de energia.