Notícia

Casa de Notícias

Jovens tendem a ter perda de audição mais acelerada

Publicado em 05 fevereiro 2019

Aumenta, cada vez mais, o número de jovens com perda de audição devido ao mau uso de fones de ouvido, assim como também à exposição frequente a ruídos, como em shows e em casas noturnas. Esses são os principais fatores responsáveis pelo crescimento na prevalência de perda auditiva e zumbido nos ouvidos dos adolescentes.

A descoberta é resultado de um estudo realizado por pesquisadores da Associação de Pesquisa Interdisciplinar e Divulgação do Zumbido (Apidiz), em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Segundo a professora de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), foi constatado uma prevalência de zumbido nos ouvidos dos adolescentes, um sinal alerta, pois o zumbido frequentemente é o primeiro sinal de perda da audição.

O problema não é nada diferente em outros lugares do mundo. Segundo o England’s Royal National Institute of Deaf, três em cada quatro frequentadores de casas noturnas estão propícios a desenvolver a surdez precocemente. A doença poderá ocorrer entre os 30, 40, 50 ou 60 anos de idade, portanto, vai depender do quanto a pessoa fica exposta aos referidos ruídos, assim como a sua predisposição genética.

Estudo mostra que 54% dos brasileiros já sentiram zumbido nos ouvidos

Segundo os dados de um estudo realizado em 170 adolescentes na faixa etária de 11 a 17 anos, estudantes de uma escola particular do Estado de São Paulo a prevalência de zumbido em adolescentes é alta. Nele foi aplicado um questionário, no qual 54,7% dos jovens responderam que já sentiram zumbido nos ouvidos.

A ideia que se tinha em relação a esse problema é que só afetava pessoas da terceira idade, porém, outros grupos também estão sendo afetados, até mesmo as crianças. Isso acontece devido ao crescimento da exposição a ruídos cada vez mais fortes, segundo a professora.

Nos resultados dos testes realizados, constatou-se que 28,8% dos adolescentes já tiveram a experiência de ouvir zumbido dentro da cabine acústica em níveis semelhantes aos de adultos.

O zumbido em adolescentes têm acontecido com muita frequência. Muitas vezes, os adolescentes não dão importância ao sintoma. Agindo dessa forma, deixam de receber ajuda de um médico especialista no assunto, podendo agravar o problema.

Já do total de 54,7% que afirmaram sentir zumbido, 51% afirmaram ter notado o sintoma após fazerem uso de fones de ouvido por longo tempo ou depois de sair de lugares com barulhos muito altos e em excesso.

Portanto, é importante que todas a pessoas com o hábito de se expor frequentemente em ambientes com som muito alto ou que fazem uso de fones de ouvidos em volume acima do normal se exponha menos a essas situações. Já no caso de trabalhadores expostos aos ruídos, cabe à empresa providenciar equipamentos de proteção individual.

A Dra. Inesângela Canali é uma profissional especializada em otorrinolaringologia que disponibiliza aos seus pacientes técnicas voltadas para cada tipo de tratamento, sendo opção de otorrino em Porto Alegre e região.

Website: https://www.inesangelacanali.com.br/