Notícia

A Cidade (Ribeirão Preto) online

Jaboticabal é polo de análise de DNA

Publicado em 12 novembro 2011

A Unesp de Jaboticabal é a única instituição da América Latina a contar com o "HiScan", um aparelho de alta tecnologia importado dos Estados Unidos capaz de analisar amostras de DNA de plantas, animais e humano.

A máquina foi adquirida em maio deste ano e custou US$ 1,5 milhão. O financiamento foi feito pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Antes do equipamento chegar à Universidade, todas as amostras eram enviadas aos Estados Unidos.

O equipamento poderá ser usado tanto por pesquisadores da Unesp como por alunos de outras instituições públicas e privadas do Brasil. A cessão para empresas privadas, desde que seja pago o preço do material usado e os custos de manutenção da máquina, também é possível.

A doutora em microbiologia Camila Cesário Fernandes, explica que a aquisição da máquina vai diminuir o tempo das pesquisas dos estudiosos brasileiros. "Antes precisávamos mandar todas as amostras para fora e os resultados demoravam em torno de seis meses, com o equipamento aqui a demora passa a ser dois meses", explica. O processo consiste em aplicação do DNA nas lâminas de um chip, que é inserido na máquina e mostra os resultados da análise em uma tela de computador.

A bióloga coordenadora do projeto, Eliana Gertrudes de Macedo Lemos, diz que o equipamento veio para Jaboticabal pois, a universidade já tem tradição em trabalhos com sequenciamento de genoma. Com a aquisição da máquina, será possível desenvolver projetos mais avançados. "Antes trinta laboratórios levaram dois anos para fazer um sequenciamento de uma bactéria com cinco milhões de par de bases. Hoje é possível sequenciar oito tipos de bactérias em três dias e a quantidade de dados é muito maior", diz.

Análises animais

Cerca de 200 amostras de cavalos da raça "Quarto de Milha", vindas de Botucatu, já passaram por análises para serem feitas genotipagens. "Comparamos os genes de animais da mesma raça, mas um para tração e outro para corrida para tentar ver a diferença entre um e outro e estudar meios de realizar melhoramentos genéticos", explica Camila.

Também já foram analisadas 50 amostras de DNA de boi "Nelore" e outras seis mil amostras de animais de corte e de leite dessa espécie devem passar pela máquina para estudos da qualidade da carne e do leite para projetos de melhoramento genéticos.