Notícia

Correio Popular

IRCAM vem ao Brasil para palestras e pesquisas

Publicado em 06 agosto 2003

Por Irineu Franco Perpétuo - De São Paulo
Palestras, workshops, exposições, reuniões científicas e um ateliê-concerto marcam a vinda ao Brasil de um núcleo selecionado de uma das principais usinas de criação e pesquisa musical da atualidade: o Ircam, de Paris. Realizada pela Fapesp, e com curadoria do compositor Sílvio Ferraz, a programação do Ircam no Brasil começa sexta-feira, na Unicamp, com uma palestra de Hugues Vinet, diretor-artístico do instituto; e prossegue no Itaú Cultural e Aliança Francesa (veja programação no quadro). "Muita gente em vários Estados do Brasil vem fazendo um trabalho relacionado ao Ircam", diz Ferraz. "A programação reflete o que acontece na Academia de Verão, um curso de sete dias que o Ircam faz na França. Em princípio, o evento seria apenas uma pequena reunião científica entre as equipes do Ircam e do MusArtS; com o tempo, resolvemos abrir a um público maior". MusArtS (Musica Articulata Scientia) é o nome do programa da Fapesp destinado a pesquisa sobre música e tecnologia, uma espécie de instituto virtual, coordenado por Ferraz. Ele é virtual porque não está instalado em um prédio, e se utiliza da internet para integrar 12 núcleos de pesquisa de universidades paulistas em áreas como música, matemática, física, acústica, engenharia e semiótica. "Ao longo dos cinco anos do programa, a idéia é trabalhar também com grupos de pesquisa de países como Alemanha, EUA e Inglaterra", diz. Ircam é a sigla para Institut de Recherche et Coordination Acoustique/Musique (Instituto de Pesquisa e Coordenação Acústica/Música), fundado em 1969, em Paris, pelo compositor Pierre Boulez, papa das vanguardas musicais do pós-guerra, e atual diretor honorário da entidade comandada por Bernard Stiegler. Atuando na intersecção entre música e ciência, o Ircam desenvolveu, nas últimas três décadas, avançada tecnologia musical. Softwares desenvolvidos pelo Ircam foram utilizados para finalidades tão díspares como o reconhecimento de timbres de falas no célebre escândalo político de Watergate -que derrubou o presidente norte-americano Richard Nixon-, shows do U2, a criação da voz artificial de "castrato" do filme "Farinelli", de Gerard Corbiau, e a ambientação tridimensional do espetáculo multimídia "100 Objetos para Representar o Mundo", de Peter Greenaway, encenado em São Paulo em 1998. (Da Agência Folha)