Notícia

Gazeta Mercantil

Investimento em pesquisa e desenvolvimento depende de incentivos fiscais

Publicado em 17 agosto 2001

Os governos federal e estaduais precisam adotar uma política de incentivos fiscais e encomendar e comprar inovações tecnológicas como,, forma de induzir nas empresas as atividades de pesquisa e desenvolvimento. A mesma opinião foi manifestada ontem, no primeiro dia da Reunião Regional de São Paulo preparatória a Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, pelo presidente da FAPESR Brito Cruz, o diretor do Departamento de Tecnologia da Fiesp. José Augusto Corrêa, e o vice-presidente da SBPC, Carlos Vogt. "Comum em países desenvolvidos, esse processo é fundamental, já que nenhum empresário investe em pesquisa e desenvolvimento sem que haja condições para tal", disse Brito Cruz. Segundo o presidente da Fapesp, esse tipo de investimento de alto risco precisa contar com um ambiente econômico menos hostil do que o verificado hoje, com maior estabilidade econômica, taxas de juros menores e regras tributárias claras. A Reunião Regional de São Paulo está acontecendo na Assembléia Legislativa. EXEMPLO DE SUCESSO Fabricante de equipamentos para telecomunicações ópticas, a empresa Asga Microeletrônica S/A, de Campinas, é um exemplo de êxito empresarial no investimento em pesquisa e desenvolvimento. A Asga tinha um faturamento anual de R$ 16 milhões em 1999, mas elevou-o para R$ 100 milhões em 2001 após decidir investir na pesquisa para aumentar a eficiência dos seus equipamentos, com o objetivo, dentre outros, de ampliar a capacidade de transferência de informações e dados e de acesso óptico por grandes usuários à rede pública de telecomunicações. De pequena empresa, a Asga vem crescendo a passos largos porque optou por crescer com tecnologia própria. POLÍTICOS PARTICIPAM DO DEBATE SOBRE CT&I As seis Reuniões Regionais preparatórias da Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação estão sendo acompanhadas com interesse pela classe política. Para o senador Roberto Freire (PPS-PE), um dos muitos parlamentares que estiveram com o ministro Ronaldo Sardenberg nas últimas semanas para debater a Conferência Nacional, as Reuniões Regionais contribuem para 'expressar as diferenças e potencialidades contidas na diversidade brasileira'. Integrante da Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara dos Deputados, a deputada Luiza Erundina (PSB-SP) considera fundamental a participação do Legislativo em todas as etapas do processo de discussão sobre o setor e na definição das diretrizes que serão adotadas nos próximos anos. Exatamente para assinalar o papel dos parlamentares nesse debate, a Conferência será aberta no Congresso Nacional, pelo presidente Fernando Henrique Cardoso.