Notícia

Diário do Povo

Inventário da história ferroviária

Publicado em 15 setembro 2012

Os remanescentes do complexo industrial que a Companhia Mogyana de Estradas de Ferro construiu em Campinas para garantir o funcionamento da ferrovia a partir de 1875 irão integrar um inventário do patrimônio industrial em complexos ferroviários paulistas, financiado pela Fundação de Pesquisas do Estado de São Paulo (Fapesp). O inventário vai abranger 5 conjuntos pertencentes a 3 empresas férreas que atuaram em São Paulo entre 1868 e 1971 – Jundiaí e Rio Claro, pertencentes a Companhia Paulista; Campinas, da Companhia Mogyana e Sorocaba, e Mairinque, da Estrada de Ferro Sorocabana.

O projeto Memória Ferroviária: inventário do patrimônio ferroviário paulista terá R$ 300 mil em financiamento e será coordenado pelo pesquisador Eduardo Romero de Oliveira, professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), de Rosana. O intuito é que essa base ampla de conhecimento sobre o funcionamento e estruturação das empresas ferroviárias sirva para a proteção, conservação, difusão e valorização desses bens, articulando-se com bases socioculturais alargadas e refletindo sobre estratégias de preservação do patrimônio ferroviário.

Até 2014, uma equipe de pesquisadores, irá identificar as estruturas construídas, os meios de produção e gestão empresarial, os veículos de tração e transporte, os conhecimentos técnicos e seus procedimentos, o ambiente social e técnico dos espaços de trabalho, a dimensão territorial das infraestruturas ferroviárias e o contexto simbólico em que se desenvolveram estas atividades ferroviárias.