Notícia

EPTV

Intrusos marinhos são catalogados

Publicado em 13 janeiro 2010

Por Fábio de Castro

Agência Fapesp

Informe sobre as Espécies Exóticas Invasoras Marinhas no Brasil. Este é o nome do livro que acaba de ser lançado pela USP, em parceria com a Secretaria de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente (MMA), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Marinha do Brasil. Trata-se do maior inventário sobre as espécies que frequentemente se tornam pragas e passam a gerar algum tipo de prejuízo ao País.

De acordo com o professor Rubens Lopes, do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP), editor científico da obra, a intenção desta publicação é uma só: incentivar a prevenção, o controle e o monitoramento das espécies exóticas invasoras marinhas.

"Desde a Convenção da Diversidade Biológica, assinada durante a conferência Rio 92, a questão das espécies exóticas invasoras começou a ser debatida internacionalmente. E o texto da convenção determinava que as nações deveriam impedir a introdução das espécies exóticas que ameaçassem os ecossistemas e realizar seu controle ou erradicação", disse à Agência Fapesp.

Uma das decisões desta convenção foi justamente a realização de inventários referentes à ocorrência dessas espécies, além da sua prevenção, erradicação e controle. "Em função disso, em meados de 2003, o MMA decidiu realizar inventários sobre as espécies invasoras em cinco subprojetos: Ambientes Marinhos, Águas Continentais, Ambientes Terrestres, Sistemas de Produção e Saúde Humana", explicou Lopes. Ele ficou responsável por coordenar o grupo que faria o inventário das espécies marinhas.

O livro tem vários capítulos distribuídos em dois grandes conjuntos de dados: um refere-se às espécies propriamente ditas e outro voltado à estrutura brasileira para enfrentá-las.

A publicação traz ainda uma pequena parte conceitual introdutória, que explica os métodos utilizados para a prospecção das informações e apresenta estatísticas gerais sobre a ocorrência das espécies.

"Depois vêm os quatro capítulos temáticos que tratam de diferentes grupos (plânctons, macroalgas, zoobentos e peixes) e o capítulo final que é um diagnóstico sobre a estrutura de prevenção e controle existente no Brasil", disse Lopes. A obra pode ser adquirida pelo telefone (61) 3317-1227.