Notícia

Gazeta Mercantil

Internet atrai empresários estrangeiros

Publicado em 18 dezembro 1995

Por Ivone Santana - São Paulo
Atraídas pelo potencial do mercado brasileiro que ficou represado durante anos até que o governo liberasse a área comercial da Internet, empresas norte-americanas estão iniciando operações no País, com investimentos que variam de valores modestos até a milhões de dólares. Em janeiro começa a funcionar a Sanet Comunicações do Brasil, filial da South America Network (Sanet), de Miami, que investiu US$ 2,5 milhões na infra-estrutura de suas unidades norte-americana e brasileira. Também de Miami, a International Website Construction Co. (IWCC) está avaliando os negócios e entrando timidamente, por enquanto, no mercado local. Já nomeou um representante e está oferecendo serviços de criação de "home pages" e a divulgação pela rede mundial por meio de um "site" (serviço "on-line"), nos Estados Unidos, que coloca à disposição dos clientes brasileiros. As duas empresas têm em comum sócios que já tinham relações com o País, conhecem bem o mercado e querem investir aqui. A IWCC tem um sócio norte-americano, Kim Grinfeder, e outro brasileiro, José Adolfo Silva Gordo Neto, que têm vários negócios no Brasil como corretora de valores e usinas. Já a Sanet pertence à "holding" Internetco, formada por vários investidores, inclusive brasileiros, e com sede nas Ilhas Cayman. O presidente da "holding" é Robert Patton, que morou aqui cerca de dez anos. A outra empresa do grupo é a International Le-Dri, que atua nos EUA como distribuidora e exportadora de produtos de informática para outros países, inclusive o Brasil. A Sanet trouxe uma filial para o Brasil disposta a arrebanhar 10 mil clientes e faturar R$ 20 milhões em seu primeiro ano de atuação. Para isso, estruturou-se durante um ano e meio. Instalou 9.654 quilômetros de fibras ópticas a partir de São Paulo, sendo que de Fortaleza em diante a ligação segue por cabo submarino até a sede da Sanet Communications, em Miami, a uma velocidade de 128/512 Kb por segundo. Assim, as ligações internacionais através da empresa são mais rápidas do que as realizadas por provedores que utilizam a linha da Embratel, explica o diretor comercial da filial local, Sérgio Sá Moreira de Oliveira. De Miami, a matriz está conectada diretamente à porta principal da Internet, em Virgínia. PADRÃO INTERNACIONAL O diretor promete o mesmo padrão internacional de dez usuários por linha telefônica. Já tem 400 linhas à disposição, para o início das atividades em 1° de janeiro, e o número deverá atingir 1,3 mil em quatro meses. Com a folgada base de comunicações a empresa não precisará restringir o acesso. Pelo contrário, quanto mais o cliente usar a linha mais barato ficará. A assinatura mensal para o acesso mais simples, o Sanet Homes, custa R$ 29 e inclui dez horas de ligação. O uso é residencial e não dá direito a espaço no computador. O acesso Proffessional sai por R$ 39, também com franquia de dez horas e espaço de 5 MB no servidor, para armazenar correio eletrônico, fazer transferências de arquivos e "home page" pessoal - neste caso é preciso ser assinante deste serviço, que custa R$ 300 para criação e elaboração. Outras "home pages" que envolvem trabalho de criação mais sofisticado custam a partir de R$ 800 incluindo três páginas e a elaboração. O aluguel mensal é a partir de R$ 150. Nos dois módulos, as dez primeiras horas extras custam R$ 3,50 por hora e as seguintes, R$ 2,50. Entre seus equipamentos no Centro Empresarial de São Paulo estão computadores DEC com microprocessador Digital Alpha AXP em conjunto como sistema operacional 64 bit OSF/1, a 203 MHz, com 256 Mb de memória básica e 4 Gb de disco. A Sanet quer oferecer todos os serviços que forem relacionados ao usuário: "home page" pessoal para quem quer ter foto e currículo na teia mundial que reúne cerca de 40 milhões de usuários de computador; elaboração, criação e alocação de espaço para empresas que queiram desde divulgação institucional a shopping center virtual entre outros. A IWCC, pelo contrário, é, por enquanto, só um "site". Se uma empresa quer colocar um "home page", a IWCC faz a criação, elabora e fornece uma caixa postal. O usuário precisará de outro provedor e quando for acessar o "site" na IWCC, em Miami, pagará ligação local. Nos EUA, a empresa está ligada diretamente à Internet e desfruta da tecnologia norte-americana, com seus baixos custos, normalmente a metade do que se cobra no Brasil, afirma o sócio e diretor de marketing, Kim Grinfeder. Segundo o representante no Brasil, Ricardo Raffaellio, a empresa dispõe, em Miami, de dezesseis estações de trabalho Macintosh e cinqüenta linhas de acesso local. Não informou o faturamento, mas disse que a meta para o País é obter receita mensal bruta de US$ 40 mil, a partir de abril, quando completa seis meses de representação. Nesse período, a norte-americana decide se será provedora de acesso também aqui, serviço que já opera nos EUA desde 1993. Raffaelli calcula que a IWCC teria de investir, no mínimo, 65 mil fora das linhas telefônicas. A empresa cobra cerca de US$ 349 para criar e elaborar "home page" com até cinco páginas e dois gráficos por página. Se for apenas texto, o preço cai para US$ 55. Para ter um e-mail (correio eletrônico), o valor é de US$ 700 mensais, enquanto o aluguel para ter "home page" é de US$ 75 por mês, com direito a quatro alterações mensais. A manutenção, com até 12 alterações por mês, sai por US$ 130. Para entrar em contato com a IWCC o endereço do e-mail é mailiwccaaol.-com. O endereço da Sanet em São Paulo é sanet-br@sanet.com.br e, em Miami, info@sanet.net. SANET INICIA OPERAÇÕES Ivone Santana - São Paulo A Sanet Communications pretende atuar em toda a América Latina com a Internet comercial e utilizar o Brasil como o nó principal de sua rede, afirma o diretor comercial da filial local. Sérgio Sá Moreira de Oliveira. A empresa está montando no País uma estrutura principal que poderá concentrar as ligações da Argentina, do Uruguai e do Paraguai, interligando esses países com o Brasil por meio de fibras ópticas. Os investimentos previstos são de US$ 1,5 milhão em infra-estrutura fora a área de marketing. A operação na Argentina deverá ter início no próximo semestre, enquanto nos outros dois países o prazo está em estudo. A estratégia de marketing da Sanet é fazer sua divulgação por meio de cinqüenta franquias a partir de 1996. As licenças deverão ser liberadas para cidades com potencial de quinhentos assinantes da Internet. O franqueado investirá de R$ 40 mil a R$ 50 mil em marketing e instalação de escritório, todo informatizado. Os equipamentos serão instalados pela Sanet. Segundo Oliveira, já há contratos sendo formalizados com Rio de Janeiro e Porto Alegre. O diretor vê a Internet como uma nova mídia e, dessa forma, quer que as empresas e os anunciantes sejam contratados por agências de publicidade, as quais se responsabilizarão pela manutenção dos trabalhos como "home pages". As agências estão sendo incentivadas a utilizar a World Wide Web (WWW), a seção multimídia da Internet, como uma nova mídia para seus clientes, por meio de palestras e cursos de acesso e de linguagem.