Notícia

RedeNotícia

Intercâmbio em alta na Unicamp

Publicado em 06 janeiro 2011

Agência FAPESP – A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) recebeu227 alunos estrangeiros em 2010, de instituições de ensino superior da Alemanha,Angola, Argélia, Argentina, Canadá, Colômbia, Congo, Coreia do Sul, Chile,Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Índia, Itália, Israel, Japão,México, Nigéria, Noruega, Paraguai, Peru, Paquistão, Portugal, República Tcheca,Romênia, Uruguai e Venezuela.

Também em 2010, 390 estudantes da Unicamp foram enviados ao exterior. Oobjetivo é fazer com que 30% dos estudantes da graduação e 10% dos estudantes dapós-graduação tenham uma experiência no exterior, ainda que haja uma dificuldadegrande em mensurar e registrar esses dados, pois muitos alunos saem dauniversidade com financiamento externo, sem notificar o controle acadêmico. Auniversidade está criando mecanismos para ter um registro mais adequado dessesestudantes.

“É fundamental para todo estudante a possibilidade de viajar, conhecer outrasculturas, outros ambientes, outros conteúdos, outras formas de aprender. Essaexperiência certamente amplia as perspectivas de qualquer pessoa e a experiênciainternacional é particularmente boa porque se aprende outra cultura, outroidioma”, disse Marcelo Knobel, pró-reitor de Graduação da Unicamp.

“Por outro lado, termos estudantes estrangeiros na universidade já muda oambiente universitário, traz novas ideias, novas perspectivas, enriquece oambiente, permite aos estudantes terem contato com outras realidades, com outrasmaneiras de pensar. A diversidade é sempre muito positiva na universidade.Acreditamos que o intercâmbio é muito positivo para os que vão e os que ficam”,disse Knobel, que também é membro da Coordenação da Área de Física daFAPESP.

Segundo Leandro Tessler, coordenador da Coordenadoria de RelaçõesInstitucionais e Internacionais (Cori) da Unicamp, o destino preferido dosestudantes da graduação é a França. E não é por acaso. A parceria da Unicamp coma França existe há anos e permite o duplo diploma, por meio de parcerias cominstituições como as Écoles Centrales (que integra escolas de Paris, Lyon, Lillee Nantes) e o ParisTech (12 instituições de ensino superior da região deParis).

A França é um dos países europeus com os quais a Unicamp tem contato paraintercambiar estudantes. A universidade também mantém convênio com a Associaçãode Universidades Grupo Montevidéu, que reúne 28 universidades da Argentina,Brasil, Bolívia, Chile, Uruguai e Paraguai.

Outro caminho na América Latina é a União de Universidades da América Latinae do Caribe (Udual), com 151 universidades.

Leia reportagem completa em: www.unicamp.br