Notícia

Diário da Saúde

Interações online beneficiam comunidades da vida real

Publicado em 09 abril 2010

Por Fábio de Castro

Agência Fapesp

Interações online têm efeitos benéficos para comunidades da vida real

Se você acha que o Twitter, o Orkut, o Facebook e outros sites de comunicação e interação online são meras câmaras de eco de conversa fiada e autopromoção, é melhor pensar melhor. [Imagem: North Carolina State University]

Quando o virtual afeta o real

Se você acha que o Twitter, o Orkut, o Facebook e outros sites de comunicação e interação online são meras câmaras de eco de conversa fiada e autopromoção, é melhor reavaliar seus conceitos.

O alerta é de um grupo internacional de cientistas, em uma pesquisa que contou com a participação do pesquisador brasileiro Luis Rocha.

O trabalho demonstrou como o comportamento na internet afeta positivamente as atividades no mundo real e vice-versa, desvendando os padrões de realimentação da comunicação online.

Efeito bola de neve

Uma das principais conclusões é que a comunicação via web pode criar um "efeito bola de neve" na vida real.

Para compreender a dinâmica da disseminação das informações na internet, o trabalho realizado na Suécia empregou a teoria das redes complexas para estudar um fórum de usuários de serviços de prostituição no Brasil.

Os dados possibilitaram a construção de uma rede que poderá ser utilizada, por exemplo, para o estudo da propagação de doenças sexualmente transmissíveis.

Dinâmica da informação na internet

Segundo Rocha, o estudo é provavelmente o primeiro a demonstrar que o feedback na comunicação online tem impactos em eventos da realidade, que, por sua vez, afetam a dinâmica da informação na internet.

"A maior parte dos fenômenos econômicos na internet tem base na disseminação de informação para os consumidores pelo marketing. No entanto, alguns deles, como a prostituição, são organizados por meio de redes sociais envolvendo tanto consumidores como vendedores. Por essa razão, esse tema é do interesse de grupos como o nosso, envolvidos com o estudo da disseminação social da informação", disse Rocha.

Fórum sobre garotas de programa

O fórum online estudado contém informações sobre garotas de programa e registra relatos dos usuários sobre encontros e comentários sobre os serviços oferecidos em 11 diferentes cidades brasileiras. Os pesquisadores investigaram os contatos entre 6.624 garotas e 10.106 clientes em um período de seis anos.

"Os encontros foram avaliados e categorizados pelos usuários em termos de tipo de atividade sexual realizada. Utilizamos os dados obtidos de diferentes formas, buscando padrões de comportamento dos usuários. Para suprimir a subjetividade dos dados, modelamos essa comunicação do fórum por meio de redes complexas, que é uma abordagem essencialmente interdisciplinar", disse Rocha.

Os pesquisadores montaram uma rede na qual cada cliente e cada garota de programa correspondiam a um vértice. O mapeamento dessa rede complexa gerou dados para uma série de estudos.

Comportamento real e virtual

"Descobrimos que as informações trocadas ali refletem o comportamento dessas pessoas na realidade e esse comportamento, depois, é refletido novamente no site, completando um ciclo fechado que determina, por exemplo, quantos contatos as acompanhantes têm com os clientes", indicou.

Os comentários positivos aumentam o número de futuros contatos, de acordo com o estudo. O alto nível de atividade e a experiência também elevam a reputação da acompanhante. "Foi constatado que essa dinâmica de feedback pode gerar um efeito de bola de neve", explicou.

Propagação de doenças venéreas

Como a rede formada - com uma base de dados de grande escala - inclui informações como a localização geográfica e o tipo de atividade sexual realizada pelos indivíduos, ela poderá ser utilizada para estudos relacionados à propagação de doenças sexualmente transmissíveis, segundo Rocha.

"A transmissão de doenças é fortemente influenciada pela maneira como a rede social é construída. Até agora tínhamos poucos estudos feitos em larga escala para comprovar isso, pois é muito difícil conseguir dados relevantes desse tipo. Esse fórum brasileiro online, nesse sentido, foi um achado de interesse científico muito grande", disse.

O sistema de redes sociais montado pelos pesquisadores, segundo Rocha, poderá ter aplicações também para a análise do impacto econômico da prostituição, além de poder ser adaptado para outros tipos de atividades.

O estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), foi realizado por dois físicos da Universidade de Umeå - Petter Holme e o brasileiro Luis Rocha - e por um sociólogo da Universidade de Estocolmo, Fredrik Liljeros.