Notícia

Convergência Digital

Institutos Nacionais de C&T estarão ativos até dezembro

Publicado em 29 julho 2008

A Fundação Carlos Chagas de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) apoiará, por meio do aporte de cerca de R$ 30 milhões nos próximos três anos (R$ 10 milhões a cada ano), a consolidação do programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia, que substituirá,a partir de novembro, o programa dos Institutos do Milênio, do Ministério da Ciência e Tecnologia. A primeira chamada para apresentação de propostas para os institutos deverá ser publicada no início de agosto.

Além da Faperj, a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) contribuirá com cerca de R$ 75 milhões e a Fapemig (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais) com R$ 26 milhões. O Ministério da C&T entrará com R$ 270 milhões. Outras instituições federais, como o Ministério da Saúde, Ministério da Educação e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e Petrobras, também liberarão verbas.

Segundo o ministro da C&T, Sérgio Rezende, ao todo, os recursos poderão atingir a soma de R$ 400 milhões para o próximo triênio. Ainda de acordo com o ministro, os Institutos Nacionais de C&T terão uma abrangência maior do que os Institutos do Milênio. A primeira chamada para apresentação de propostas para os institutos deverá ser publicada no início de agosto.

De acordo com o presidente e representante da Faperj na coordenação dos Institutos Nacionais de C&T, Ruy Garcia Marques, o programa deverá trazer enormes benefícios à consolidação da pesquisa aplicada junto à população.

"É essencial lembrarmos que os 65 institutos levarão em conta características como apoio à pesquisa, formação de recursos humanos, integração de universidades e de centros de pesquisa com empresas e, principalmente, a transferência deste conhecimento para a sociedade. Só assim poderemos contribuir para a diminuição das enormes desigualdades sociais e regionais que ainda ocorrem em nosso país", explica.

Para o presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e coordenador do Instituto do Milênio de Avanço Global e Integrado da Matemática Brasileira, Jacob Palis Júnior, a grande mudança que ocorrerá com a criação dos Institutos Nacionais de C&T é a participação das FAPs no novo programa.

"Essencialmente, a estrutura do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia será semelhante à estrutura do Instituto do Milênio", destaca Jacob Palis Júnior. "Os recursos serão apreciáveis. Acredito que esses institutos são vitais para fazer a ciência e tecnologia nacionais aplicadas terem um novo patamar. A estrutura é operar em rede, cuidar de centros emergentes e alavancar para valer a fronteira do conhecimento nas diversas áreas", completa.

Ao todo serão 45 institutos em áreas estratégicas e 20 formados por meio de demandas espontâneas. Os recursos estarão divididos em três faixas: até R$ 3 milhões, até R$ 6 milhões e até R$ 9 milhões. Do total liberado pelo Ministério da C&T, R$ 270 milhões, 35% (R$ 94,5 milhões) deverão ser destinados às regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil; 15% (R$ 40,5 milhões) para a Região Sul; e os 50% restantes (R$ 135 milhões) para o Sudeste do país.

No total serão contemplados 45 projetos em áreas como nanotecnologia, biocombustíveis, biotecnologia, energia renovável, gás, petróleo e carvão, agronegócio, Antártica, programa espacial, mudanças climáticas, saúde, Amazônia e biodiversidade, tecnologias da informação e comunicação, entre outras.

*Com informações da Assessoria da Faperj