Notícia

O Estado de S. Paulo

Institutos de pesquisa são esvaziados

Publicado em 27 janeiro 2014

Por Herton Escobar
Aos 61 anos de idade, 37 deles dedicados à pesquisa científica, Yara Aiko Tabata já poderia estar aposentada desde 2010. Não se aposenta porque não quer ver sua pesquisa morrer. Ela é a única pesquisadora em atividade na Estação Experimental de Salmonicultura do Estado de São Paulo, responsável por um tradicional programa de pesquisa e reprodução de trutas em Campos do Jordão, nas montanhas do Vale do Paraíba. O único cientista que atuava ao lado dela – seu marido - morreu em junho de 2012. “Já passou meu tempo de [...]

Conteúdo na íntegra disponível para assinantes do veículo.