Notícia

Brasil Alemanha News

Instituto Fraunhofer desenvolve pesquisa sobre cultivo de macaúba

Publicado em 31 março 2017

Projeto de desenvolvimento sustentável de cultivo de macaúba foi tema de encontro entre grupo de pesquisadores do Instituto Fraunhofer, instituição alemã de pesquisa aplicada, e da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta). A reunião no Instituto Agronômico (IAC) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo discutiu o sistema de cultivo, a sustentabilidade da cadeia produtiva e o desenvolvimento de novas aplicações e produtos. Dentre outros aspectos, a macaúba é uma das plantas de maior potencial para produção de biodiesel, podendo render quase 26 vezes mais óleo do que a soja.

A pesquisa é focada na análise da variabilidade genética existente na espécie e seleção de matrizes para maior produção de óleo da polpa e da semente, nos diferentes ambientes onde pode ser naturalmente encontrada.

O projeto foi aprovado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pelo Governo Federal da Alemanha, por meio do Ministério da Ciência e Educação (BMBF). As atividades no âmbito deste projeto de cooperação internacional tiveram início neste ano e deverão ser finalizadas em 2019. O coordenador técnico do projeto e pesquisador do Instituto Fraunhofer, Alexandre Martins Moreira, informou que o encontro faz parte da dinâmica dos projetos da entidade.

O chefe de engenharia de processos do Instituto, Peter Eisner, completou: “Por se tratar de um projeto multidisciplinar que conta com mais de cinco parceiros, a reunião é de grande importância para que todos se familiarizem com as competências de cada membro”.

Durante o encontro, Eisner falou sobre o potencial de aplicação de produtos da macaúba e apontou as possibilidades de uso da palmeira, que envolvem a produção de biocombustível, as indústrias farmoquímica e alimentícia, além da utilização das fibras da planta.

Ele também ressaltou que todo o processo deve ser desenvolvido de acordo com a legislação alemã de baixo impacto ambiental. O engenheiro apresentou ainda empresas brasileiras e alemãs parceiras que participarão do projeto.

Escrito por Redação BrasilAlemanha News