Notícia

Tratamento de Água - Notícias

Instituto de Química da Unesp de Araraquara/SP cria sensor que detecta antibiótico em esgotos

Publicado em 22 março 2021

Solução pode ajudar estações de tratamento a identificarem resíduos de remédios que prejudicam o meio ambiente e fazem mal à saúde humana

Pesquisadores do Instituto de Química (IQ) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Araraquara (SP), desenvolveram um biossensor de baixo custo capaz de detectar, em minutos, a presença do antibiótico Ciprofloxacina em esgotos e rios.

O objetivo da invenção é auxiliar as Estações de Tratamento de Água e Esgoto (ETARs) na elaboração de estratégias eficazes para a degradação desses compostos, que são considerados uma grande ameaça à saúde humana, à flora e à fauna aquáticas.

Os resultados obtidos no trabalho geraram um artigo que foi publicado na RSC Advances, revista científica internacional da Royal Society of Chemistry.

A pesquisa foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e contou com a participação dos professores Marcelo Nalin, Maria Valnice Boldrin Zanoni e Younès Messaddeq, todos do IQ, além da colaboração de Ricardo Adriano Dorledo de Faria, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Estudo

A Ciprofloxacina é amplamente receitada para tratar doenças como bronquite, sinusite, gonorréia e pneumonia. No entanto, quem a utiliza não consegue metabolizá-la totalmente, eliminando até 72% do remédio pelas fezes ou urina.

Esses resíduos do antibiótico chegam até o esgoto público e podem contaminar rios e águas subterrâneas. Uma vez presente no meio ambiente, mesmo em concentrações baixas, geram riscos de intoxicação aos seres vivos e podem desencadear o aparecimento de bactérias multirresistentes.

Além disso, as estações de tratamento não conseguem detectar esses resíduos, nem removê-los. Essa limitação pode fazer com que a população de uma determinada cidade tenha acesso a uma água que não esteja totalmente livre de impurezas.

Testes

Para produzir o sensor, os cientistas imobilizaram, na superfície de um eletrodo de carbono impresso, um anticorpo chamado imunoglobulina G. Ele, ao entrar em contato com a Ciprofloxacina, gerou um sinal elétrico, identificando a presença do medicamento.

O dispositivo, então, foi testado em um dos laboratórios da Université Laval, no Canadá, onde os pesquisadores prepararam uma solução que funciona como um “esgoto artificial”, na qual foi adicionada a Ciprofloxacina, além de outros remédios com estruturas químicas semelhantes para verificar se o sensor seria “confundido”.

“Como resultado, nós verificamos que o sensor foi altamente seletivo para o fármaco de interesse. Além disso, ele realizou a detecção em um tempo relativamente curto, de aproximadamente dois minutos”, explicou a doutoranda do IQ e principal autora do trabalho, Rafaela Silva Lamarca.

Fonte: G1.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
G1 Estadão.com A Cidade On (São Carlos, SP) Agora Cidades LabNetwork