Notícia

Gazeta Mercantil

Inpe desenvolve novas pesquisas com diamante artificial

Publicado em 18 setembro 2001

Por Iara Gomes - igomes@gazetamercantil.com.br - de São José dos Campos
O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em São José dos Campos, dá início a novas pesquisas com diamante produzido em laboratório. Os pesquisadores agora desenvolvem um tipo de lubrificante sólido para uso em satélites, mas que também tem aplicações em vários setores como na indústria de embalagens e automotiva, segundo o coordenador do projeto diamante e materiais relacionados do Inpe. Vladimir Jesus Trava Airoldi. As principais vantagens do diamante em relação aos outros tipos de materiais são a maior resistência e a capacidade de reter menos impurezas em sua superfície. Os lubrificantes são aplicados nas partes dos satélites que se movimentam para evitar o desgaste das peças. "A alta durabilidade faz com que a relação custo-benefício do diamante seja melhor", diz. A maioria dos lubrificantes utilizados em sistemas espaciais utiliza o bissulfeto de molibdênio, um material altamente lubrificante, mas que desgasta-se rapidamente. "Neste contexto o diamante se tornou a principal alternativa". Depois de desenvolvida, a tecnologia para este tipo de aplicação deverá ser transferida para as indústrias interessadas. A indústria de embalagens, que hoje utiliza o teflon para cobrir os trilhos por onde passam as embalagens, é uma potencial candidata, segundo o pesquisador. "Além de mais caro o teflon tem baixa durabilidade". Outro setor com potencial para beneficiar-se com o projeto é o automotivo nas áreas de pintura e aplicação de anti-corrosivos em função da alta resistência a produtos químicos. A Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) financiará parte dos R$ 200 mil nas pesquisas. As primeiras pesquisas do Inpe com diamante artificial chamaram a atenção da Nasa que testa um tubo em diamante artificial desenvolvido pelo Inpe com vistas a uma possível utilização do material em robôs que serão enviados à Marte.