Notícia

Jornal da Unesp

Inovação

Publicado em 01 janeiro 2007

Por Daniel Patire

Prêmio Mário Covas para gestão em saúde

Iniciativa da Faculdade de Odontologia de Araçatuba foi um dos vencedores; sistema do IPMet de alerta sobre tempestades por meio de celular ficou entre os finalistas

O projeto de gestão em saúde pública do Programa de Pós-Graduação em Odontologia Preventiva e Social, da Faculdade de Odontologia (FO), campus de Araçatuba, foi um dos vencedores do Prêmio Mário Covas 2006 — Inovações na Gestão Pública no Estado de São Paulo, categoria de Gestão de Recursos Humanos.
Na categoria Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação, o trabalho "Alerta de tempestades via WAP", do Instituto de Pesquisas Meteorológicas (IPMet), foi indicado ao prêmio. O IPMet é uma Unidade Complementar da Reitoria, localizada no campus de Bauru. A cerimônia de premiação aconteceu no dia 30 de novembro, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.
Lançado em 2004, o Prêmio Mário Covas distingue, anualmente, as melhores práticas de gestão pública em nível estadual. O objetivo dessa iniciativa conjunta da Casa Civil do Estado de São Paulo e da Fundap (Fundação do Desenvolvimento Administrativo) é apoiar a modernização da administração pública estadual.

Apoio à saúde
O trabalho da FO, "Integração de serviços de saúde e universidade: estratégia para melhorar a gestão de saúde", analisou o sistema público de saúde de cinco municípios de pequeno porte da região noroeste do Estado de São Paulo. O estudo é coordenado pela professora Nemre Adas Saliba e tem apoio financeiro da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).
Foram beneficiados os municípios de Clementina, Gabriel Monteiro, Piacatu, Bilac e Santópolis do Aguapeí. "Durante o processo, analisamos o modelo de prestação de serviços de saúde e os planos de saúde dos municípios, a organização da demanda pelos serviços e a participação da população na gestão dessa área", comenta a coordenadora.
A partir da avaliação da situação local e das necessidades observadas, os pesquisadores promoveram cursos para a capacitação de gestores, membros dos CMS (Conselhos Municipais de Saúde) e profissionais dos serviços de saúde (médicos, enfermeiros e agentes do PSF — Programa Saúde da Família).
Após a capacitação, Nemre e sua equipe observaram alterações nos regimentos internos dos CMS para se adequarem à legislação federal, além de uma melhora na própria prestação dos serviços, a partir da organização da demanda. Em outro foco de atuação, o grupo da UNESP produziu um material didático-pedagógico para reverter a situação de falta de conhecimento da população em relação ao SUS (Sistema Único de Saúde) e ao direito à participação no processo decisório das políticas públicas de saúde. O Manual para Usuário do SUS foi distribuído pelos agentes do PSF durante suas visitas às residências. "O projeto tem contribuído também para o fortalecimento do vínculo entre usuários e prestadores de serviços de saúde, por meio da abordagem humanitária enfocada durante as capacitações realizadas", conclui a professora.

Alertas de tempestades
O projeto do IPMet, elaborado pelos analistas Carlos Alberto de Agostinho Antonio e Simone Cincotto Souto, é um sistema de alerta sobre tempestades via WAP (Wireless Application Protocol). Esses alertas, em forma de mensagem de texto para celular, podem ser disparados sempre que uma tempestade forte for detectada na área delimitada pelo usuário. A informação permite a tomada de medidas importantes para a prevenção de riscos e de prejuízos.
O Alerta de Tempestade tem por finalidade a proteção de pequenas áreas de interesse específico do usuário, como residências ou propriedades rurais. Um aparelho celular, devidamente cadastrado, receberá informações referentes a uma ou mais áreas num raio de 60 km, a partir de um ponto predefinido dentro da área de cobertura dos radares climáticos.
As informações repassadas aos celulares são captadas pelos radares do Instituto, instalados nas cidades de Bauru e Presidente Prudente. O raio de cobertura de ambos é de 240 km, abrangendo mais de 70% do território paulista. A função de alerta ("warning") é gerada automaticamente pelo sistema operacional dos radares após uma seqüência de varreduras na atmosfera. A cada varredura, um arquivo contendo a localização das áreas que apresentam características de tempestade é criado, e, a partir dele, são transmitidos os alertas via WAP.
Essas áreas identificadas pela função têm uma extensão superior a 9 km2 , com uma altura média acima da superfície em torno de 3,5 quilômetros, contendo uma quantidade de água em forma líquida acima de 3 milímetros e intensidade mínima de chuva superior a 11,5 milímetros por hora (1 milímetro de chuva representa 1 litro de água despejado em 1 m2).
"É importante esclarecer que não se trata de uma previsão de tempo e sim de uma informação específica da presença de uma ou mais áreas de tempestades potencialmente severas em uma região determinada pelo usuário", informa Antonio.
As pessoas que quiserem receber as informações em seu celular podem cadastrar-se no site do IPMet. A taxa cobrada pelo serviço, a partir de 2006, é de R$ 0,30 por torpedo (mensagem) — custo cobrado pelas operadoras de telefonia celular do Estado. O serviço de Alerta também pode ser acessado gratuitamente via Internet no endereço: www.ipmet.unesp.br