Notícia

Gazeta Mercantil

Inovação tecnológica e desenvolvimento

Publicado em 30 outubro 1997

Por Emerson Kapaz
O governo do Estado de São Paulo está dando um enorme passo para concretizar projetos de inovação tecnológica em indústrias, serviços e órgãos governamentais, com o mesmo nível daqueles desenvolvidos atualmente no Primeiro Mundo. Em novembro, será assinado o convênio que dará início a atividades de cooperação científica e tecnológica entre as três universidades paulistas (USP, Unicamp e Unesp), o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo e o Massachusetts Institute of Technology, um dos principais centros de excelência tecnológica do mundo (MIT). Para operar o convênio, as três universidades paulistas, o IPT e a Secretaria criaram o Centro para Inovação Tecnológica (CIT), com o apoio da Fundação de Financiamento Educacional de Pesquisa (Finep) e da Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (Fapesp). O CIT objetiva atender à demanda emergente por inovação tecnológica no Estado de São Paulo, exigida pelo avanço da globalização. E contribuirá para integrar e potencializar as ações das cinco maiores instituições estaduais envolvidas na produção de ciência e tecnologia. Ao mesmo tempo, o CIT trará o know-how de países que já detêm experiência de maior aproximação entre universidade e empresa. Esses dois pólos do crescimento econômico e científico perceberão quão complementares são, ao viabilizarem projetos de desenvolvimento tecnológico. Muitas empresas não imaginam o potencial oferecido pelas instituições de ensino e pesquisa paulistas. Estas, por sua vez, deverão ampliar seu arsenal científico e tecnológico, sem nenhuma perda da independência de atuação. O CIT começa a funcionar operando o Programa de Cooperação com o MIT. Nos primeiros dois anos, serão desenvolvidos sete projetos em setores como indústria automobilística, eletroeletrônica e agroindústria. Esse desenvolvimento inicial será sustentado com recursos da Finep, da Fapesp e da Secretaria da Ciência e Tecnologia. Se ficar comprovada a auto-sustentabilidade desses projetos, o acordo será prorrogado por mais cinco anos. O convênio com o MIT nasce em paralelo à definição de uma política tecnológica para o Estado de São Paulo, aprovada pelo Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia (Concite) em 10 de outubro. Será um dos mecanismos destinados a acelerar o apoio tecnológico a empresas e setores econômicos que enfrentam dificuldades para o desenvolvimento de tecnologia de ponta. Mapeamento nesse sentido foi feito durante 18 meses por 300 pessoas ligadas aos meios acadêmicos e a 25 setores da economia, num trabalho coordenado pelo governo paulista. Ainda dentro do convênio, pesquisas conjuntas serão realizadas, sempre com a participação de um pesquisador sênior do MIT, voltadas a temas básicos ou aplicados, preferencialmente patrocinadas por empresas ou setores da administração pública. Currículos de graduação e pós-graduação serão aprimorados. Haverá intercâmbio entre estudantes de São Paulo e do MIT. Será facilitado o acesso das instituições paulistas às empresas com as quais o MIT mantém projetos. Evidentemente, o convênio com o MIT não será a única atividade do CIT, que poderá estabelecer programas de cooperação com outros centros de excelência tecnológica do exterior. Além disso, o CIT poderá acolher outras instituições nacionais voltadas ao desenvolvimento tecnológico. Dessa forma, as empresas instaladas no Estado de São Paulo poderão contar com mais uma ferramenta de trabalho. E nossos institutos superiores de ensino e pesquisa ganharão novo alento, no benefício da ciência e da tecnologia. Secretário da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo.