Notícia

Diário do Comércio (MG)

Inovação será discutida pela Anpei na Capital

Publicado em 16 maio 2008

Inovar é palavra de ordem para se manter no mercado e conquistar clientes. Esse tema será discutido na "VIII Conferência Anpei de Inovação Tecnológica", que acontece de 19 a 21 de maio no Expominas, em Belo Horizonte.

Na programação haverá um painel sobre casos de sucesso de pequenas empresas. Os participantes vão mostrar que é possível a inovação nas empresas de pequeno porte. O gerente da Unidade de Acesso à Inovação e Tecnologia do Sebrae Nacional, Paulo Alvim, vai mediar o debate. "Nesse painel, as pequenas empresas terão espaço para relatarem seu sucesso, as dificuldades e barreiras enfrentadas nessa caminhada e ainda darem exemplo para outros empreendimentos que desejem trilhar os caminhos da inovação", explicou.

Três empresas farão esse tipo de relato. São elas: 24x7 Cultural, Exsto Tecnologia e Brapenta Eletrônica. A 24x7 Cultural é uma empresa de São Paulo que tem como objetivo a promoção, acesso e democratização da leitura. "Do mesmo modo como as pessoas compram refrigerantes e guloseimas em máquinas, elas agora compram livros", explicou Fábio Bueno, diretor da empresa.

O negócio, implantado em 2003, já conta com um total de 21 máquinas de livros instaladas, sendo 20 em São Paulo e uma no Rio de Janeiro. As máquinas atendem principalmente as pessoas que utilizam o transporte coletivo nessas cidades e o preço dos livros chega no máximo a R$ 5.

"Temos cerca de 500 títulos com temas diversos como culinária, informática e até literatura clássica", contou. A empresa vende de 12 a 15 mil livros por mês. "Formamos leitores. Os primeiros livros são comprados em nossas máquinas, depois, essas pessoas passam a freqüentar uma livraria", disse. O investimento da 24x7 Cultural em tecnologia é alto. Cerca de 12% do faturamento vão para investimento tecnológico.

Incubadora - A Exsto Tecnologia, empresa de Santa Rita do Sapucaí, Sul de Minas, começou sua jornada em 2001, como empresa incubada e se graduou em 2004. A Exsto produz kits para ensino e desenvolvimento na área de eletrônica. Mais recentemente, começou a inaugurar um novo braço da empresa na área automotiva. A partir de um projeto desenvolvido com recursos para inovação e com apoio do Sebrae, por meio do programa Sebraetec, a empresa criou um conversor eletrônico tricombustível (álcool, gás e gasolina).30

"O projeto está concluído, mas por conta do problema de distribuição de gás no país, resolvemos vender para o mercado a solução apenas para álcool e gasolina. Vamos alcançar o consumidor com carro que não saiu da fábrica com a função flex, mas têm interesse em ter a opção do bicombustível", explicou José Domingos. A venda será feita para empresas de autopeças e a conversão deve chegar a R$ 450 para o consumidor final.

A história de sucesso continua na empresa Brapenta Eletrônica, de São Paulo. Após cinco anos de trabalho, a Brapenta lançará, em julho, um equipamento de inspeção por raios X que detecta contaminantes sólidos em produtos alimentícios. Em julho deste ano, após cinco anos de trabalho, a empresa lançará no mercado um equipamento de inspeção por raios X que detecta contaminantes sólidos em alimentos.

Para desenvolver o equipamento, a empresa contou com o apoio de empresas incubadas da Coope-UFRJ e também de recursos financeiros da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). O equipamento, que consumiu mais de R$ 2,5 milhões em Pesquisa e Desenvolvimento deverá dar um retorno rápido do investimento. Com preço de venda 40% menor que os modelos importados, já há fila de espera de clientes no Brasil e exterior. (ASN)