Notícia

Portal do Meio Ambiente

Iniciativa inédita monitora floresta alagada no Amazonas

Publicado em 20 agosto 2009

Pela primeira vez, um sistema de monitoramento que integra estratégias de conservação do meio ambiente amazônico é instalado em uma região inteiramente composta por florestas alagadas. Com o nome de Sistema Automático de Monitoramento Aquático (SIMA), desde junho esse equipamento está operando em uma plataforma flutuante no Lago Mamirauá, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas (AM).

O SIMA já começou a coletar dados que permitirão respostas a diversas questões de pesquisas em andamento, dentre as quais a que estuda o padrão de distribuição espacial da abundância do pirarucu (Arapaima gigas) nos lagos da Reserva Mamirauá. Peixe de alto valor comercial, o pirarucu só pode ser pescado em áreas de manejo - caso de Mamirauá - e de cativeiro. Em qualquer outra situação, sua pesca é proibida. O objetivo do estudo é entender como variáveis ambientais, dentre elas os pulsos de inundação e seu impacto sobre as propriedades da água, afetam essa espécie. As informações adquiridas a partir daí contribuirão com as estratégias de manejo desse peixe.

Além de atender as pesquisas, o SIMA também permitirá comparar inforamações de Mamirauá, área praticamente sem impactos humanos e com regras de manejo, com as coletadas no Lago Grande de Curuaí, onde já existe um sistema desse tipo. Esse lago também fica no Amazonas e se localiza em uma região bastante degradada e antropizada. "O SIMA permite, teoricamente, que se separe o sinal das forçantes naturais sobre o ambiente aquático daquele produzido pelas ações antrópicas. Assim essa comparação dará respostas úteis sobre a resiliência desses dois tipos de ambientes", explica a pesquisadora Evlyn Márcia Leão de Moraes Novo, da Divisão de Sensoriamento Remoto da Coordenação de Observação da Terra do Inpe.

O SIMA mede diversas variáveis ambientais a partir de sensores colocados acima da linha de água, entre elas direção e intensidade de ventos, radiação solar incidente e refletida e temperatura do ar. Já abaixo da linha d´água, ele mede variáveis como turbidez e pH. Esses dados são adquiridos em alta freqüência e transmitidos, em média a cada hora, por satélites brasileiros. "Entender como as propriedades físico-químicas da água se modificam ao longo do tempo, com que freqüência, como são afetadas pelas variáveis climáticas, pode vir a ajudar a melhorar as estratégias de manejo dos recursos não apenas na Reserva, mas também em outros locais", explica Evlyn.

A iniciativa de instalação do SIMA é do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM), organização cogestora da Reserva Mamirauá, e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), duas das seis organizações que integram a Rede Geoma, do Ministério da Ciência e Tecnologia. O principal objetivo dessa rede é o desenvolvimento de modelos que avaliem e prevejam cenários de sustentabilidade na Amazônia e que contribuam para a formulação de políticas públicas.

O SIMA instalado em Mamirauá foi construído no INPE, sob a gerência de José Luiz Stech, pesquisador que integrou a equipe de desenvolvimento de um sistema parecido que opera em oceanos e que também atua na Divisão de Sensoriamento Remoto da organização.

O sistema foi financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Também recebeu apoio da Rede Geoma e recursos da Coordenação de Observação da Terra do INPE e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O transporte do equipamento para Mamirauá foi apoiado pelo Comando Geral do Ar (CONGAR) e pelo Exército Brasileiro.