Notícia

Revista Aditivos & Ingredientes

Ingredientes, Alimentos Processados Funcionais e Saúde

Publicado em 01 agosto 2018

A escolha de uma dieta que proporcione adequada ingestão de nutrientes e que mantenha o consumo de energia em equilíbrio com o metabolismo de base e a atividade física continua a ser a pedra angular da boa nutrição. Dentro desse cenário, os potenciais efeitos benéficos ou adversos de nutrientes e outros componentes levaram à criação de produtos alimentícios com características específicas que, além de nutrir o corpo, trazem algum benefício à saúde física e mental e promovem o bem-estar no longo prazo. Com o avanço do conhecimento científico, principalmente nas últimas décadas, reforça-se cada vez mais a interdependência entre alimentos, nutrição e saúde e revelam- se os complexos mecanismos envolvidos nesse processo. Paralelamente, vem crescendo muito o interesse da população e da mídia por assuntos relacionados a alimentação, saúde e bem-estar.

A crescente importância dos alimentos e bebidas funcionais tem se refletido no mercado, que cresceu cm torno de 10% ao ano na última década, bem acima da porcentagem registrada entre alimentos e bebidas processados em geral, fato que por si sójá colocam os produtos funcionais como estratégicos para o Brasil. Soma-se a isso o grande potencial que o país tem para aumentar ainda mais seu protagonismo na produção de alimentos e sua enorme biodiversidade, entre outros fatores favoráveis. há condições para que esse crescimento vigoroso continue nos próximos anos, tendo em vista os seguintes fatores direcionadores: aumento da população e do número de idosos; maior consumo de alimentos processados; elevação dos gastos com saúde; avanço das doenças crônicas não transmissíveis; aumento do interesse do consumidor por assuntos relacionados a alimentação, nutrição e saúde; aumento de escolaridade e renda; maior segmentação da dieta, e avanço cada vez mais rápido da ciência, tecnologia e inovação (CTI).

O potencial de crescimento dos ingredientes funcionais já havia sido percebido em 2010 no estudo Brasil Food Trends 2020 (www.brasilfoodtrends.com.br/Brasil Trends/). Em 2014, por ocasião da elaboração do Brasil Ingredients Trends 2020 (www.brasilingredientstrends.com.br), esse potencial ficou ainda mais evidente.

Com o objetivo de entender melhor o universo dos ingredientes funcionais e de estudar como o Brasil pode avançar ainda mais nesse campo, foi realizado pelo Agropolo Campinas Brasil o 4° Workshop em Biocconomia com o tema “ingredientes. alimentos processados funcionais e saúde” (www.agropolocampinasbrasil.org/workshop.html). Financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), o evento seguiu uma metodologia específica, a qual resultou num roadmap tecnológico que destacou especialmente os seguintes tópicos: oportunidades e fatores limitadores de crescimento para o mercado de funcionais no Brasil; grandes áreas teenológicas que impactam esse mercado; lacunas e barreiras, e ações necessárias para incrementar ainda mais seu crescimento. Os principais resultados do 40 Vorkshop foram reunidos em um documento enviado preianiente para todos os membros da Plenária de Abertura da Food ingredicnts South America (PiSA) 2018 com o intuito de orientar as discussões sobre a relação entre ingredientes e alimentos processados funcionais e saúde.

OPORTUNIDADES

Diante do exposto, está claro que o Brasil tem algumas oportunidades para fortalecer ainda mais o mercado dc alimentos e ingredientes funcionais. Talvez a maior delas seja expandir a exploração de ingredientes e princípios ativos da biodiversidade, e de resíduos e subprodutos da cadeia produtora de alimentos. Alguns ingredientes e compostos bioativos promissores são: antimedicamentos naturais para Substituir OS sintéticos; antioxidantes, corantes e aromas naturais; novas proteínas (girassol e outros vegetais, insetos, etc.); fermentos e problóticos; enzimas, e princípios hioativos para controle da pressão arterial, diabetes e saciedade. No entanto, para ser bem Sucedido, o país precisará intensificar os investimentos na identificação, extração e purificação) de ingredientes e compostos bioat ivos; investir em análises qualitativa e quantitativa de ingredientes e su bstncias bioativas; realizar um levantamento dos ingredientes utilizados nas diferentes regiões brasileiras com potencial para desenvolver produtos. e conhecer mais profundamente a interação de ingredientes e compostos bioativos com outros compostos presentes na matriz do alimento. Será necessário ainda estudar as interações dos nutrientes e compostos bioativos com o organismo, objetivando a comprovação de sua eficácia e a consequente aprovação da alegação desejada. Por tratar-se de estudo de alta complexidade, o Brasil terá que investir mais fortcmcnte nas tecnologias ômicas (genômica, proteômica, transcriptômica e metabolômica) e em pesquisas sobre o microbioma intestinal, nutrigenômica e epigenôinica. Pensando na ampliação da escala de produção, é fundamental avançar mais nos processos fermentativos, síntese orgânica e biologia sintética.

Outro SSO essencial é fazer com que o nutriente ou princípio ativo mantenha sua integridade e funcionalidade até o momento do consumo. Para tanto, será necessário investir em pesquisa visando ao aprimoramento de processamento térmico ao desenvolvimento de processamentos emergentes, principal. mente altas pressões, micro-ondas e plasma, bem como em pesquisa sobre micro e nano encapsulamento. Outra forma de proteger o princípio ativo é promover seu micro ou nanoencapsulamento.

A criação de um centro multidisciplinar para apoiar e validar as provas científicas das propriedades funcionais, com um único alinhamento e em conformidade com as normas internacionais, é outra ação considerada importante para um país com pretensão de crescer na área de alimentos funcionais. Além de aproveitar as oportunidades, o Brasil terá que eliminar ou minimizar os (atores limitadores de crescimento tais como: sistema regulatório conservador; falta de alinhamento e sincronismo com as tendências mundiais; falta de mão de obra especializada; alto custo da produção em larga escala dos Ingredientes funcionais (extração, purificação. micro e nanoencapsulamento); falta de comunicação adequada com o consumidor; uso exagerado e ou inadequado de alegações de saúde pelas empresas: movimentos contrários ao consumo de alimentos industrializa- dos; baixo empreendedorismo; baixo índice de inovação tecnológica, e alto custo para comprovação científica da eficácia e segurança para uso dos ingredientes funcionais. Essa última limitação se deve à necessidade de pesquisas mais complexas, maiores habilidades analíticas e equipamentos mais sofisticados, e maior uso de ensaios clínicos bem desenhados. tanto para aprovação das alegações quanto para atendimento das exigências de rotulagem e de informação ao consumidor. Não só há fatores limitadores. como existem lacunas e barreiras tecnológicas e não tecnológicas a serem vencidas.

As principais tecnológicas são: falta de investimento público e privado em pesquisa e desenvolvimento (Pfl); pouco acesso das pequenas e médias empresas a equipamentos sofisticados de processamento e análise; baixo grau de internacionalização das atividades de PD nas áreas estratégicas; falta de biomarcadores e de procedimentos moleculares para demonstração da eficácia e segurança de compostos bioativos; e pouco trabalho em rede de PD nas áreas estratégicas. Já a principal lacuna tecnológieas é a falta dc um plano nacional para o desenvolvimento do setor e de um plano de comunicação eficaz com os consumidores para explicar os reais benefícios dos alimentos funcionais, ajudando-os a se sentirem menos confusos. Para aumento da competitividade, a indústria de ingredientes e alimentos funcionais tem ampliado suas parccrias com instituições de pesquisa e desenvolvimento e com a indústria farmacêutica. Por outro lado, não há um consenso entre academia, governo e indústria sobre o caminho a seguir, unia vez que o terna é complexo e multidisciplinar. Há, porém, concordância de que a melhoria Clii alguns pontos. tais como maior investimento em CTI. formação de mão de obra qualificada e incentivo ao empreendedorismo, é fundamental para o desenvolvimento desse e de outros segmentos.

GRANDES ÁREAS TECNOLÓGICAS

Como mencionado, o desenvolvimento da área de alimentos funcionais é dependente do avanço de grandes áreas tecnológicas, descritas de forma sucinta a seguir, com seu estágio atual de desenvolvimento no país. Definição de novos tipos de processamento e/ou novos perímetros de processamento para os diferentes produtos com o objetivo de proteger os compostos funcionais A adição de um ingrediente funcional a um determinado produto tem que ser precedida de estudos que definam a matriz alimentar que melhor preserve sua funcionalidade e que melhor mantenha as características do produto. Quando isso não é possível e há um desafio maior na associação do ingrediente funcional ao produto, podem ser necessárias tecnologias de barreira (micro e nanoencapsulainento).

O Brasil dispõe de infraestrutura e pessoal qualificado para trabalhar na definição de novos tipos de processamento e/ou novos parâmetros de processamento. Microencapsulamenco Obter um ingrediente funcional estável pode ser insuficiente se ele não puder ser facilmente integrado ao alimento. Muitos ingredientes são hidrofóbicos e dispersá-los cm alimentos hidrofílicos em pó é um verdadeiro desafio. Além de proteger o ingrediente durante o armazenamento ou processamento, liberando-o no momento certo e 110 lugar desejado, o microencapsulamento permite sua conversão para pós adequados e de fácil manuseio. Muitos ingredientes podem ser mieroencapsulados, como vitaminas, prohióticos e aromas. No Brasil, apesar da grande quantidade dc estudos, o número de produtos comerciais mícroencapsulados puramente nacionais ainda é modesto. Em muitos casos, as micro- partículas aplicadas nos produtos nacionais são importadas.

PLANO NACIONAL

O mais estratégico para o Brasil é a construção de um plano nacional para o desenvolvimento de ingredientes e alimentos e bebidas processados em geral e dos funcionais cm particular, a exemplo do que fizeram países como Canadá e Austrália. Tal plano terá que ser desenhado de forma a aproveitar as oportunidades que o país tem e, ao mesmo tempo, eliminar ou mitigar os fatores limitadores e vencer as lacunas e barreiras tecnológicas e não tecnológicas. Trata-se, sem dúvida. de uma tarefa multo difícil, mas é urgente que o Brasil crie as condições necessárias para avançar nesse segmento tão estratégico, realçado por seu protagonismo na produção de alimentos. A implementação do plano nacional trará resultados práticos que contribuirão para manter o vigor do mercado de funcionais. Alguns deles são:

• Criação de um centro multidisciplinar para dar suporte à aprovação e validação das alegações de propriedades funcionais, com um único alinhamento e cm conformidade com as normas internacionais.

• Criação de uma plataforma experimental de intervenção humana para enfrentar desafios como falta de padronização para ensaios clínicos e de ferramentas clínicas não invasivas e reprodutivas.

• Busca de equilíbrio entre ensaios controlados randomizados e estudos de população para determinar as melhores práticas para gerenciar problemas de nutrição.

• Identificação de biomarcadores validados de exposição e a utilização eficaz das tecnologias ômicas.

• Integração de diferentes tipos de abordagens e métodos de estudo, tais como ciência básica, pesquisas clínicas e estudos de população.

• Desenvolvimento de métodos e ferramentas para aumentar o conhecimento da genômica e epigenômica nutricional, tecnologias ômicas e nanoclência.

• Aumento do trabalho em rede.

• Aumento do grau Internacionalização.

• Realização de pesquisa interdisciplinar para determinar se as políticas de alimentação e nutrição estão atingindo os objetivos a que se propuseram.

• Adequação das agências reguladoras brasileiras para atingir objetivos como aprovar um código de práticas para a aplicação das alegações em alimentos e bebidas funcionais cm sintonia com as tendências internacionais, para acelerar a implantação da inovação no país.