Notícia

Jornal do Commercio (RJ)

Índices escondem queda da inovação no mercado

Publicado em 07 julho 2005

Recuo - Pesquisador diz que houve menos produtos novos em 2004

No Brasil, a taxa de inovação, segundo os dados da Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica (Pintec) 2003, divulgada pelo IBGE, teve uma pequena alta no triênio 2001-2003, em comparação com os três anos imediatamente anteriores medidos pela primeira versão do estudo. Os números, respectivamente, são 33,3% e 31,3%.
Mas a alta é apenas relativa. "Se olharmos o indicador mais próximo do que se entende por inovação, que corresponde aos números relativos à introdução de produtos novos para o mercado, essa taxa, em específico, caiu de 4,1% para 2,7%", explica André Tosi Furtado, professor do Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Na visão do pesquisador, o refluxo da inovação também foi detectado por outros indicadores exibidos na mesma pesquisa, que contou com o apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). "A relação entre o dispêndio em atividades inovativas sobre a receita líquida caiu de 3,84% para 2,43%. É uma queda substancial", diz.
Estudo permite visão dinâmica da inovação
A publicação do estudo foi considerada bastante positiva por existir agora a possibilidade de se ter uma visão dinâmica da inovação tecnológica no Brasil desde 1998. "O triênio 2001-2003 foi muito mais crítico em função da crise econômica que se abateu sobre o país", lembra Furtado.
Entre as várias informações geradas pela pesquisa do IBGE, uma diz respeito de forma bastante direta às universidades brasileiras. E, mais uma vez, as notícias não são positivas. "Houve também um refluxo das empresas que estiveram envolvidas em práticas cooperativas. Esse número caiu de 2,5 mil para apenas 1,0 mil. Apesar, ou talvez por conta, dessa redução, o número de relações entre empresas e universidades ou institutos de pesquisa aumentou de importância. Essa fonte de informação se manteve em terceiro lugar", conta o pesquisador da Unicamp.
O lado positivo para as universidades pode ser encontrado nos números relacionados a recursos humanos. Nas empresas consultadas, mais de 28 mil, a quantidade de profissionais de nível superior em tempo integral traballhando com inovação subiu de 20 mil para 21,8 mil.
"Isso indicaria que houve achatamento salarial e redução dos gastos, mas não desmobilização das equipes. Apesar de tudo, o número de pós-graduandos e graduados cresceu, o que é importante para as universidades", diz Furtado.
Agência FAPESP