Notícia

DCI

Indicadores da Fapesp apontam aumento do dispêndio em P&D

Publicado em 29 agosto 2011

São Paulo - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) lançou os Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo 2010, nova edição da série iniciada em 2002. A publicação está disponível para leitura e consulta no site www.fapesp.br/indicadores2010. - "A série Indicadores da Fapesp constitui instrumento de grande valia para formular e avaliar as políticas públicas relativas à ciência e à pesquisa tecnológica", diz Celso Lafer, presidente.

A publicação teve coordenação geral de Ricardo Renzo Brentani, diretor-presidente da Fapesp, e de Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor-científico.

Dezenas de pesquisadores de instituições de ensino superior e de pesquisa do Estado de São Paulo e de outros estados também participaram.

Divididos em dois volumes, os Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo 2010 montam, em 12 capítulos, um panorama do ensino, da pesquisa, da produção científica, da inovação tecnológica e de suas aplicações no estado, comparando, sempre que possível, os dados de São Paulo com os do Brasil e de outros países.

Os capítulos contam com anexos que reúnem tabelas e descrições das metodologias utilizadas na reunião de dados e em sua análise.

"O terceiro capítulo traz dados e análises sobre os dispêndios paulistas em pesquisa e desenvolvimento (P&D), de todas as suas possíveis fontes, públicas (federais e estaduais) e privadas.

"Com esses dados", afirma Lafer, "faz-se uma análise sobre as tendências verificadas e sobre as similaridades e contrastes entre os dispêndios em P&D em São Paulo, no Brasil, e comparações internacionais".

Gasto total

Entre os resultados obtidos, está que o dispêndio total em P&D em São Paulo chegou a R$ 15,5 bilhões em 2008, o que correspondeu a 1,52% do Produto Interno Bruto estadual.

"Calculado com a mesma metodologia, o dispêndio nacional em P&D chegou a R$ 34,2 bilhões em 2008, com intensidade de 1,14% do PIB. Em ambos os casos, a tendência nos últimos dois anos foi de crescimento. Outro destaque é que, em SP, "o dispêndio público em P&D em 2008 correspondeu a 37% do dispêndio total [ou 0,57% do PIB estadual], sendo 13% a parte do dispêndio federal em P&D, e 24%, a parte do dispêndio estadual. No Brasil, o dispêndio público foi de 51% do total [0,58% do PIB], sendo a parcela federal de 36%, e a estadual, 15%".