Notícia

Jornal do Commercio (RJ)

Imagens de satélite para exportação

Publicado em 09 fevereiro 2005

Depois de liberar o acesso gratuito ao catálogo do Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres (CBERS-2), o Brasil tornou-se o maior distribuidor de imagens de sensoriamento remoto em todo o mundo. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), de junho de 2004 a janeiro de 2005, foram distribuídas 57.268 imagens.
A Agência Espacial Brasileira (AEB) pretende adotar este ano uma política de comercialização das imagens feitas pelo CBERS-2, lançado em outubro de 2003 em parceria com a China. A idéia é que os interessados possam acessar imagens a partir de estações de recepção no exterior.
"O satélite terá uma programação de bordo que enviará as imagens para os países que se filiarem ao serviço. Será possível baixar tudo que estiver no raio de ação da antena de cada cliente", explica Carlos Miranda, diretor do Inpe. "Para isso, será cobrada uma taxa única de US$ 240 mil por ano. A receita será dividida entre o Brasil e a China."
O CBERS-2 gera imagens com resolução a partir de 20 metros, utilizadas para cartografia, monitoramento ambiental, vigilância, defesa, avaliações agrícolas, uso dos solos e controle do impacto ambiental. (Agência FAPESP)