Notícia

Revista Hosp online

IESS promove VI Prêmio IESS de Produção Científica em Saúde Suplementar

Publicado em 13 julho 2016

São Paulo, 13 de julho de 2016 – O Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS-www.iess.org.br) está com inscrições abertas, até 15 de setembro, para o VI Prêmio IESS de Produção Científica em Saúde Suplementar. Com essa iniciativa, o Instituto objetiva incentivar a pesquisa e valorizar estudos com qualidade técnica capazes de contribuir para a melhoria da gestão no setor de saúde suplementar. O regulamento está disponível em http://iess.org.br/?p=premio.

 

Podem ser inscritos trabalhos de conclusão de cursos de pós-graduação (especialização, MBA, mestrado ou doutorado) nas áreas de Economia, Direito e Promoção de Saúde e Qualidade de Vida e que enfoquem temas relacionados à saúde suplementar. As inscrições são gratuitas e cada candidato pode inscrever apenas um trabalho.

 

Os dois melhores de cada categoria receberão prêmios de R$ 10 mil e R$ 5 mil, respectivamente, além de certificados, que serão entregues em cerimônia de premiação que acontece em dezembro.

O superintendente executivo do IESS, Luiz Augusto Carneiro, reforça a importância do Prêmio como meio de fomento à pesquisa e também como agente de ligação entre o Instituto e academia. Ações como o Prêmio IESS são fundamentais para promover o aperfeiçoamento do setor de saúde suplementar e sua gestão, avalia. Faz parte da missão do IESS promover a produção de conhecimento do setor e o Prêmio IESS já se tornou a mais importante referência acadêmica, apresentando, já pelo sexto ano, trabalhos muito sérios e interessantes com ideias novas que têm ajudado o setor a se desenvolver, completa.

 

Além do Prêmio IESS de Produção Científica de Saúde Suplementar, o Instituto também atua no fomento à pesquisa por meio de convênio com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Em abril, as instituições anunciaram os resultados da primeira chamada de projetos de pesquisa acadêmica, resultado da parceria para fomentar estudos e debates sobre a sustentabilidade da saúde suplementar brasileira. Os projetos escolhidos serão desenvolvidos nos próximos dois anos.