Notícia

Portal Dbo

IB dobra prazo de validade de produto para diagnóstico de tuberculose em bovinos

Publicado em 30 setembro 2020

Instituto Biológico foi autorizado pelo Ministério da Agricultura e Pecuária para a mudança de regras

Os produtores rurais que forem adquirir novos frascos de tuberculina para diagnóstico de tuberculose, principalmente em bovinos, terão uma boa surpresa. O produto, produzido pelo Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, tem agora validade de dois anos, o dobro do que era anteriormente. Com isso, os distribuidores e pecuaristas poderão programar melhor suas compras, armazenar o produto e reduzir o desperdício.

Continue a leitura após o anúncio

De acordo com o médico-veterinário do IB, Ricardo Spacagna Jordão, a turberculina bovina e a aviária são usadas para triagem e confirmação do diagnóstico de tuberculose em animais de produção. A liberação para o aumento do prazo de validade foi dada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) no início do ano, mas agora, com o fim dos estoques do produto, os pecuaristas poderão encontra-lo no mercado.

Ricardo Jordão, do Instituto Biológico. Foto:IB

“Esta é uma boa notícia para os produtores rurais, que nos pediam esse aumento no prazo para poderem se programar melhor e conseguirem armazenar os frascos. Antes, a validade era de um ano, mas na prática, era bem menor para o produtor, pois tinha todo o trâmite de aprovação das partidas no MAPA e logística. Com a nova validade, haverá menos desperdício de produto”, afirma. Os produtores também terão acesso a frascos mais modernos e de melhor qualidade, segundo Jordão.

Brucelose

O MAPA também liberou, em 23 de setembro, que o Instituto Biológico começasse a produzir o AAT, usado para o diagnóstico de brucelose, com prazo de validade de 18 meses, seis meses a mais do que é encontrado hoje no mercado. Apesar da liberação, os produtores devem começar a encontrar o antígeno com novo prazo de validade em breve nos pontos de venda. Isso porque a partir de agora é que as novas partidas levarão em conta a nova validade concedida pelo Ministério da Agricultura.

“Em pouco tempo, todo o nosso portfólio de imunobiológicos estará com prazo de validade maior. Isso foi possível graças aos novos equipamentos adquiridos pelo Instituto, por meio de recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), que permitiram melhorar nossa produção e envase”, afirma Jordão.

IB é a única instituição brasileira autorizada a produzir imunobiológicos

O Instituto Biológico é a única instituição do Brasil, autorizada pelo MAPA, a produzir imunobiológicos, antígenos usados para diagnóstico de tuberculose e brucelose em bovinos. Sem esses produtos, o País não pode vender nem comprar animais no exterior. A falta deles também prejudica o trânsito interestadual de animais e pode impactar diretamente na saúde da população.

O trabalho do IB auxilia o Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose (PNCEBT) no diagnóstico e erradicação da tuberculose em bovinos. Em 2019, o IB produziu 4,5 milhões de doses de imunobiológicos. O Instituto trabalha a todo vapor para aumentar essa produção, principalmente, após investimento de R$ 3,5 milhões da FAPESP, que permitiu a compra de novos equipamentos e está viabilizando novas pesquisas na área. Fonte: Ascom