Notícia

CDRS/SP - Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável do Estado de São Paulo

IB disponibiliza ao setor agro frascos de produto para diagnosticar brucelose com menos doses

Publicado em 26 maio 2021

Novo portfólio reduz desperdício e atende demanda dos pequenos produtores de animais de criação

O Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, passa a disponibilizar para o setor produtivo do agro fracos de imunobiológicos usados para diagnóstico de brucelose com menos doses. Com isso, o IB atende à demanda antiga do setor, principalmente, das propriedades com número reduzido de animais de produção, que terão queda no desperdício de doses. O Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) também é beneficiado, já que doses antes desperdiçadas passam a ser utilizada para o diagnóstico da doença em outros animais.

Segundo o médico-veterinário do IB, Ricardo Spacagna Jordão, o Instituto já começou a disponibilizar em maio as duas opções de frascos para o setor, uma com menos dose e outra com o número tradicional. Nesse contexto, veterinários encontraram no mercado AAT, antígeno para diagnóstico da brucelose, com 160 e 64 doses. Também estão sendo produzidas e, em breve, estarão no mercado: Prova Lenta de 60 e 24 doses, além das Tuberculinas Bovina e Aviária de 50 e 20 doses.

“Essa ação é muito importante, pois tínhamos muito desperdício de doses em propriedades com número reduzido de animais. Quando o produtor precisava levar parte de seu rebanho para leilão ou exposição, por exemplo, também perdia muitas doses. Quando um frasco é aberto, o prazo de validade se reduz rapidamente. O ideal é sempre utilizar frascos recentemente abertos, para evitar diagnósticos falso positivos ou falso negativos”, explica Jordão.

Essa atualização do portfólio de produtos do IB só foi possível graças a investimentos na compra de novos equipamentos com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) que permitiram pesquisas para melhorar a produção e envase no Laboratório de Imunobiológicos do IB, localizado na capital paulista.

Maior prazo de validade

Os investimentos da FAPESP, segundo Jordão, também foram fundamentais para que o IB aumentasse, em 2020, o prazo de validade dos frascos de tuberculina para triagem e confirmatório de tuberculose, que passaram a ter dois anos, o dobro do que era disponibilizado anteriormente. Para o AAT, o aumento na validade foi de seis meses, passando de 12 para 18 meses. “Isso tem ajudado muito na rotina de compra e de armazenamento dos produtos pelos profissionais que atuam no campo, além de também reduzir o desperdício”, afirma o médico-veterinário.

Produção acelerada

O Instituto Biológico produziu 5.484.430 doses de imunobiológicos em 2020, aumento de 20% em relação a produção de 2019. No mesmo período foram comercializadas, 4.995.680 doses, o que representou um crescimento de 46,6% na arrecadação total de 2020, em comparação ao ano anterior. O IB é a única instituição brasileira autorizada a produzir este insumo no Brasil.