Notícia

Cultivar

IAC completa 125 anos com grande presença na história da cafeicultura nacional

Publicado em 28 junho 2012

IAC completa 125 anos com grande presença na história da cafeicultura nacional
Que o Brasil teve seu processo de desenvolvimento e identidade nacional moldados pela cultura do café desde o século XIX até meados do século XX, quase todo mundo sabe. O que provavelmente poucos sabem é que isso só foi possível graças ao trabalho incansável de pesquisadores do Centro de Análise e Pesquisa Tecnológica do Agronegócio do Café “Alcides Carvalho”, do Instituto Agronômico – IAC.


No dia 27 de junho, o IAC completa 125 anos e sua história como centro de pesquisa se confunde com a própria história da pesquisa em café no Brasil, pois foi criado em 1887 com o objetivo primeiro de assistir tecnicamente ao desenvolvimento da cafeicultura nacional. Desde a concepção, o Centro de Café "Alcides Carvalho" é formado por uma equipe multidisciplinar de cientistas envolvidos em inúmeras atividades de pesquisa e desenvolvimento e de transferência de tecnologia. Esse esforço de pesquisa já permitiu a produção de trabalhos clássicos da literatura agronômica brasileira sobre o produto, gerando soluções para os mais diversos segmentos da cadeia produtiva do café, não só no País, mas também em países da América Central e Latina.


Graças às pesquisas pioneiras realizadas no Instituto Agronômico, o Brasil é hoje o maior produtor e exportador mundial de café e o segundo maior consumidor da bebida. As cultivares Mundo Novo e Catuaí desenvolvidas pelo IAC são carros-chefe da cafeicultura brasileira e, representam cerca de 90% dos cafeeiros arábicas cultivados nos campos brasileiros. Entre as contribuições do IAC ao longo dos seus 125 anos para elevar o País ao posto de primeiro produtor mundial destacam-se: novas cultivares, trabalhos com a adubação do solo que viabilizaram o cultivo do café em solos de cerrado e em processamento pós-colheita - que incluem o desenvolvimento do processo cereja descascado - e estudos pioneiros em secagem, colheita mecanizada, fisiologia do cafeeiro, preparo do solo, arborização, genética e melhoramento genético, armazenamento de sementes e grãos, agroclimatologia - que trouxe grande contribuição para o zoneamento climático -, orientações para a mitigação do efeito do aquecimento global, análises químicas do solo, folhas e sementes, fertilização química, enxertia, mecanização da colheita, taxonomia e evolução das cultivares e espécies de Coffea, qualidade do produto etc.


Consórcio Pesquisa Café - A partir de 1997, com a criação do Consórcio Pesquisa Café, cujo programa de pesquisa é coordenado pela Embrapa Café (Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa), as pesquisas com café conduzidas no IAC ganharam novo impulso. Esse arranjo institucional viabilizou o melhor aproveitamento de recursos humanos, financeiros e de infraestrutura, bem como a transferência de tecnologias já validadas por instituições de pesquisa, ensino e extensão rural nos principais estados produtores. O Consórcio veio atender aos novos desafios que foram colocados para a sustentabilidade do agronegócio café de mais produtividade com competitividade e qualidade.


Genoma Café - Na área de pesquisas biológicas, um fato marcante a partir da constituição do Consórcio é a participação efetiva de pesquisadores do IAC e de Unidades da Embrapa no Projeto Genoma Café, que numa primeira fase desenvolveu o sequenciamento do genoma café, resultando na construção de um banco de dados com mais de 200 mil sequências de DNA. Isso permitiu a identificação de mais de 30 mil genes, responsáveis pelos diversos mecanismos fisiológicos de crescimento e desenvolvimento do cafeeiro. Atualmente as pesquisas são dirigidas à análise das sequencias agregando-lhes função por meio de trabalhos de identificação de marcadores moleculares e de promotores gênicos para dar continuidade ao melhoramento genéticos do cafeeiro. Os reflexos serão diretos no custo de produção, na proteção ambiental e no incremento de produtividade das lavouras, com melhoria da qualidade da bebida e da competitividade do produto.


Sistema para expressão dirigida de genes em raízes e em tecidos foliares - Pesquisa realizada por pesquisadores da Embrapa Café, do IAC e da Universidade Estadual Paulista – UNESP mediante uso de informações geradas pelo Projeto Genoma Projeto Genoma. O sistema consiste em dois promotores obtidos de plantas de café que permitem direcionar e controlar a expressão de genes a eles associados: o Promotor CalsoR, que atua nas folhas, e o Promotor Caperox, que age nas raízes em resposta a um estímulo externo, oferecendo total controle do tipo de OGM (Organismo Geneticamente Modificado) produzido. “É acoplado ao promotor um gene determinado para o que se pretende melhorar na planta, por exemplo resistência a nematóides, não afetando as demais partes, muito menos o fruto do café. E esse mecanismo só é ativado em caso de necessidade, ou seja, em resposta a um estímulo externo, o que representa mais segurança para os consumidores”, explica a pesquisadora Mirian Maluf, da Embrapa Café. Em outras palavras, o gene só será ativado se tiver algum ataque de agente biótico, que, no cafeeiro, é o nematóide da raiz e o fungo das folhas. Outra vantagem é que a técnica também pode ser usada para o melhoramento de várias espécies vegetais de interesse econômico, além do café.


Lançamento de cultivares - Falando em melhoramento genético do cafeeiro conduzidos no IAC para obtenção de cultivares de boas características agronômicas, como produtividade e boa qualidade, o Consórcio apoiou e financiou a seleção de mais seis cultivares de café pelo IAC. São elas: cultivar Tupi IAC 1669-33, resistente à ferrugem e com maturação precoce; IAC Ouro Verde; Obatã IAC 1669-20; IAC 125 RN, resistente à ferrugem e ao nematóide Meloidogyne exigua e de maturação precoce; IAC Ouro Amarelo e IAC Obatã Amarelo.


Café naturalmente sem cafeína - Realizado em parceria com a Embrapa Café, o estudo com o cafeeiro descoberto pelo IAC permitirá que amantes do bom cafezinho com problemas com a ingestão de cafeína possam vivenciar a paixão pela bebida, sem nenhum resíduo químico. Os pesquisadores estão realizando testes em plantas cujo teor da substância é de apenas 0,07%, ou seja,10 vezes menos que o café consumido habitualmente, da espécie Coffea arabica. “Inúmeras espécies, variedades e formas botânicas foram avaliadas e plantas, com teor reduzido de cafeína nos grãos, foram identificadas entre as cerca de três mil plantas da coleção de café arábica oriundas da Etiópia”, explica a pesquisadora Maria Bernadete Silvarolla, do IAC. Mudas clonadas obtidas por estaquia ou cultivo in vitro de matrizes selecionadas em função de sua superioridade agronômica, como produção de frutos e resistência aos principais agentes bióticos da cultura, encontram-se em ensaios de campo desde 2007 e devem ser registradas como novas cultivares clonais.


Origem e os genes responsáveis pela qualidade do café Arábica – É outra pesquisa desenvolvida pelo IAC no âmbito do Consórcio Pesquisa Café, e ainda com financiamento também da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – Fapesp, que tem fornecido também subsídios para pesquisas de melhoramento genético do cafeeiro. O estudo verificou que boa parte dos genes expressos na espécie de café Arábica – que é uma das mais cultivadas e com melhor qualidade de bebida – parece ser proveniente de Coffea eugenioides, uma espécie pouco usada nos programas de melhoramento genético do café e sem qualquer uso comercial. As pesquisas inéditas identificaram genes potenciais responsáveis pela qualidade do café e comprovaram também que a melhor qualidade do Arábica se dá pela maior expressão de genes da produção de açúcares encontrados em seu material genético.


O estudo teve o objetivo de entender as diferenças gênicas entre os cafés arábica e robusta, responsáveis por 70% e 30% da produção mundial de café, respectivamente. “Um dos principais resultados foi a verificação de que o arábica expressa uma maior quantidade de genes relacionados ao metabolismo de açúcares do que o robusta. Esse resultado confirma os dados bioquímicos anteriores, que haviam evidenciado que o grão do arábica possui mais açúcares, que seriam responsáveis pela melhor qualidade da bebida em relação ao robusta”, explica o pesquisador do Centro de Recursos Genéticos Vegetais do IAC, Jorge Maurício Costa Mondego. O estudo, entretanto, tem como mérito o apontamento de quais seriam os genes responsáveis por essas diferenças.


Com os dados em mãos, os pesquisadores do IAC, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) aprofundaram seus estudos e descobriram que a maior quantidade de açúcar do arábica provem de uma espécie de café que não tem qualquer uso comercial. Para chegar a este resultado os pesquisadores investigaram a origem do arábica, que se deu há centenas de milhares de anos, na Etiópia, a partir da hibridação natural dos genomas de C. canephora e de C. eugenioides. “Verificamos que boa parte dos genes que estão relacionados à qualidade de bebida do arábica parece vir de C. eugenioides”, conclui o pesquisador.


Mais sobre o Consórcio - O Consórcio Pesquisa Café é uma experiência de integração da ciência e da tecnologia no País tendo por base a sustentabilidade, a qualidade, a produtividade, a preservação ambiental, o desenvolvimento e o incentivo a pequenos e grandes produtores. Foi fundado por 10 instituições ligadas à pesquisa e ao café: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola - EBDA, Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais - Epamig, Instituto Agronômico - IAC, Instituto Agronômico do Paraná - Iapar, Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural - Incaper, Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro - Pesagro-Rio, Universidade Federal de Lavras - Ufla e Universidade Federal de Viçosa - UFV. Hoje agrega pelo menos mais 45 instituições parcerias. Ao longo de seus 15 anos de existência, o Consórcio Pesquisa Café se consolidou como espaço de geração de tecnologias, conhecimento e de transferência de tecnologia.

 

Flávia Bessa
Embrapa Café com informações da assessoria do IAC