Notícia

Jornal do Commercio (RJ)

Hubble resolve mistério da luz azul em Andrômeda

Publicado em 23 setembro 2005

Espaço - Estrelas estão próximas de buraco negro

A fonte da misteriosa luz na vizinha galáxia de Andrômeda, que tem intrigado cientistas há mais de uma década, foi identificada. A descoberta, possível com o uso do telescópio espacial Hubble, foi anunciada na terça-feira. De acordo com os astrônomos responsáveis pelo estudo, a luz azul deriva de um disco de estrelas jovens. Essas estrelas se movimentam em torno de um buraco negro supermassivo no coração da galáxia, de forma similar à dos planetas do Sistema Solar em relação ao Sol.

Além de encontrar o disco de estrelas, os cientistas também puderam se certificar da existência do buraco negro. Desde 1988, quando foi vista pela primeira vez, não se sabia ao certo o que constituía a gigantesca formação escura no centro da galáxia de Andrômeda. Agora, além da certeza de ser um buraco negro, foi possível calcular a sua massa: 140 milhões de vezes a do Sol.

Mas essa certeza deixou os pesquisadores intrigados. A dúvida agora é como o disco de estrelas conseguiu se formar tão próximo do buraco negro gigante. A questão é que a força exercida pelo buraco negro deveria dilacerar a matéria à sua volta, não permitindo, por exemplo, que gás e poeira formassem estrelas.

"Olhar esse disco de estrelas é como ver um mágico tirar um coelho da cartola. Você sabe que aconteceu, mas não sabe como", disse Tod Lauer, do Observatório Astronômico Óptico Nacional, dos Estados Unidos, e um dos responsáveis pela observação, em comunicado do Centro de Informações do Hubble. Os resultados estão publicados na revista "Astrophysical Journal".

A misteriosa luz azul foi observada pela primeira vez em 1995, por astrônomos da Universidade de Washington, também com o uso do telescópio espacial. Na época, achou-se que se tratava da luz emitida por uma estrela. Três anos depois, novas observações indicaram que a luz poderia ser resultado de um aglomerado de estrelas.

Agora, após novo estudo em que foi empregado o espectrógrafo do telescópio espacial, os cientistas concluíram que a luz resulta de mais de 400 estrelas, formadas há cerca de 200 milhões de anos e agrupadas num disco com apenas um ano-luz de diâmetro.

Os cientistas também puderam calcular que as estrelas estão se movendo muito rapidamente, a mais de 3,6 milhões de quilômetros por hora - nessa velocidade, levariam 6 minutos para ir da Terra à Lua. As mais rápidas completam suas órbitas em cem anos.

Segundo os autores do estudo, o núcleo ativo da galáxia de Andrômeda provavelmente formou discos similares no passado e deve continuar a fazê-lo no futuro.

Mars Express é prorrogada
A missão Mars Express, primeira sonda européia em órbita de Marte, foi prorrogada por um ano marciano, ou 23 meses terrestres, anunciou ontem a agência espacial européia (ESA). A decisão de dar continuidade à missão foi tomada pelo comitê de programação científica da ESA no último dia 19. Desde o início coordenada com as atividades de exploração de Marte da Nasa, a Mars Express ajudou a criar uma imagem cada vez mais complexa do planeta vermelho, principalmente de seu clima e diversidade geológica. A sonda registrou a presença de água em diferentes formas e permitiu afirmar que as atividades vulcânicas e os episódios de glaciação são mais recentes do que se acreditava.

Agência Fapesp