Notícia

Jornal da USP online

Histórias culturais transatlânticas

Publicado em 17 dezembro 2019

Por Leonor Shiroma

O intercâmbio cultural entre a Europa, a África e as Américas

O espaço atlântico se configura como uma vasta e imensa área por sobre a qual se entreolham três continentes: o americano, o africano e o europeu. A partir do século XVI, com as grandes navegações, passou a designar também um universo ainda mais amplo e diversificado, compreendendo não só as distâncias geográficas que separam esses continentes, mas sobretudo as aproximações humanas e culturais que os unem, em constante trânsito a se fazer – como diria o protagonista do romance A relíquia, de Eça de Queirós – daquém e dalém mar. Tais aproximações, no entanto, nem sempre foram tranquilas ou afirmativas, quase nunca isentas de conflito, mas sempre e indiscutivelmente transformadoras.

É nesse espaço de múltiplas transformações, cujos mecanismos funcionam não necessariamente no sentido convencional (muito pelo contrário!), do centro para a periferia ou do norte para o sul, que navegam os autores dos artigos deste dossiê “Histórias Culturais Transatlânticas”, organizado por dois franceses e uma brasileira: Anaïs Fléchet, professora do Departamento de História da Université Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines; Olivier Compagñon, professor do Institut des Hautes Etudes d’Amérique Latine da Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3; e Gabriela Pellegrino Soares, professora do Departamento de História da Universidade de São Paulo e uma das coordenadoras do projeto Fapesp/ANR Transatlantic Cultures, do qual os seis textos aqui apresentados fazem parte.

Esta edição da Revista USP traz ainda, na seção Arte, uma reflexão de Alecsandra Matias de Oliveira sobre o painel Etnias – do primeiro e sempre Brasil, da artista plástica Maria Bonomi, exposto desde 2006 no Memorial da América Latina, em São Paulo. Já na seção Textos, é oportuno o ensaio de Lilian Al-Chueyr Pereira Martins, da USP em Ribeirão Preto, onde são revistas as origens do pensamento luminoso de Charles Darwin, agora em que se comemoram 210 anos de seu nascimento e 160 da publicação de sua obra mais famosa e fundamental, A origem das espécies.

Por último, e não menos importante, gostaria de aproveitar para fazer os agradecimentos em nome de toda a equipe a José Francisco Carvalho Costa, jornalista que, com extrema diligência, expertise e cordialidade, esteve à frente desta publicação desde seu nascimento, 30 anos atrás, e que, a partir deste número, deixa a Revista USP para cuidar de outros projetos. Um brinde, portanto, a você, caro Chico Costa!

Jurandir Renovato

Apresentação

O dossiê que organizamos para a Revista USP traz alguns resultados do projeto de cooperação internacional Transatlantic Cultures. Cultural Histories of the Atlantic World 18th – 21st Centuries, financiado pelas agências Fapesp e ANR (Agence Nationale de la Recherche). O projeto volta-se à construção de uma plataforma digital, de livre acesso, reunindo narrativas sobre as dinâmicas de circulação cultural que, na época contemporânea, entrelaçaram regiões do espaço atlântico. A plataforma, em fase de experimentação, está baseada na Digital Humanities open platform – TGIR Huma-Num – vinculada ao CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique), na França. Ao lado das equipes brasileira e francesa que compõem o Comitê Editorial, contamos com uma extensa rede de colaboradores, de diferentes países e instituições, convidados a escrever sobre seus temas de pesquisa em uma perspectiva que ilumine a importância dos intercâmbios transnacionais na própria constituição do objeto.

As abordagens desenvolvidas dialogam com correntes hoje em voga no campo da história – as chamadas histórias conectadas, a história transnacional, a história global – que compartilham a crítica aos tradicionais enquadramentos eurocêntricos e desafiam o historiador a explorar novos ângulos de análise e a observar, em meio a tramas de poder profundamente desiguais, as relações multidirecionais constitutivas da modernidade.